Pandemia: estamos perto do fim?

Pandemia: estamos perto do fim?

Por Gerson Junqueira Jr*

Gerson Junqueira Jr

publicidade

Apesar de haver um otimismo para que possamos dar fim à pandemia da Covid-19, pode ser que esta transformação leve ainda algum tempo. Talvez, alguns anos. Isso não quer dizer que devemos nos entristecer. O mais importante é que o quadro relacionado à saúde das pessoas e a capacidade de atendimento estejam sob controle.

Para entender melhor, convém lembrarmos alguns conceitos comuns na Medicina e que se tornaram corriqueiros na mídia e nas conversas. Endemia, Surto, Epidemia, Pandemia e Colapso são termos parecidos e que são facilmente confundidos. Diferentemente do que muitos possam pensar, a transformação do quadro de “Epidemia” para “Endemia”, não está relacionada à quantidade de casos, mas, sim, a uma disseminação por determinada região. Portanto, pela sua grande transmissão em várias partes do mundo, a Covid-19 pode demorar até atingir esse ponto.

Como exemplo que ilustra esse conceito, temos a malária, que é uma doença considerada endêmica no Brasil, ou seja, está localizada em nosso território e acomete principalmente regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, pois há uma associação com o clima, uma vez que é transmitida através da picada de insetos. A África, no mundo, é o continente com maior número de casos.

O outro conceito que nos acostumamos a ouvir é o de “surto” e muito frequentemente é relatado em asilos ou instituições. Neste caso, há um aumento repentino de número de infectados.

Já a “Epidemia” é um grande surto que atinge uma grande região. Quando a Covid-19 foi identificada na China, por exemplo, recebeu esta classificação. Assim que ela se propagou por outros países, houve a nova denominação de “Pandemia”, no dia 11 de março de 2020. As outras “Pandemias” que tivemos no mundo foram a Gripe Espanhola, em 1918, que infectou mais de 500 milhões de pessoas, e a Gripe A em 2009, que atingiu mais de 60 milhões de pessoas entre abril de 2009 e agosto de 2010.

Por fim, o colapso é o momento em que existe muita demanda e mesmo o paciente tendo convênio ou ordem judicial, não consegue ser atendido no âmbito público ou privado.

Nós, da Amrigs, estamos atuantes e atentos a todo esse cenário e reforçamos a importância de a população seguir os protocolos estabelecidos pelas autoridades sanitárias e cuidarmos de nossa saúde, independentemente do quadro em que estivermos vivendo.

Presidente da Amrigs*


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895