Puma atropelado tem pata amputada

Puma atropelado tem pata amputada

publicidade

Magnus Severo, médico veterinário do ICMBio, e Renan Alves Stadler, médico veterinário e responsável técnico do Gramadozoo / Foto Halder Ramos Magnus Severo, médico veterinário do ICMBio, e Renan Alves Stadler, médico veterinário e responsável técnico do Gramadozoo / Foto Halder Ramos


Além ser procedente do entorno do Parque Nacional dos Aparados da Serra, é um macho com potencial genético para futuras ações de conservação”, completa o veterinário Magnus Severo, do ICMBio. Os dois profissionais acompanharam o procedimento para amputação da pata, que foi conduzido pelo veterinário Fábio Kern. O animal ficou aproximadamente duas horas na sala de cirurgia e permanece sobre o efeito de anestésicos. Os veterinários frisam que o quadro ainda é preocupante. O animal está em área isolada do Gramadozoo. Ele continua recebendo soro e a alimentação ocorre apenas de maneira forçada através de sonda gástrica.

VÍTIMA DO SER HUMANO

O puma foi trazido ao zoo na noite de quarta-feira, 13, após ser resgatado na ERS 020, em Cambará do Sul. Os profissionais acreditam que ele tenha sido atropelado há aproximadamente 20 dias. Após o incidente, ele não conseguiu mais caçar para comer e acabou perdendo peso. O caso expõe um drama diário vivido pelos animais da fauna brasileira. No país, 470 milhões de animais morrem anualmente vítimas de atropelamento.

NOTA TÉCNICA DA EQUIPE

* O puma resgatado atropelado teve uma piora na lesão da pata traseira. Piora causada pelos movimentos, patadas e mordidas do próprio animal, que, aos poucos, foi recuperando as forças.

* Após a anestesia, foi diagnosticado que a já comprometida circulação sanguínea, ocasionada pelo atropelamento seguido de fratura exposta, havia sido interrompida por completo, sendo que, a única alternativa seria realizar a amputação do membro na altura da articulação coxo-femural.

* Agora, o plano inicial de reabilitar o puma para posterior soltura na natureza já não existe. A luta é para mantê-lo vivo, já que vem de um quadro de muitos dias sem alimentação, uma fratura exposta pelo atropelamento, perda de sangue e, com a amputação, dois procedimentos cirúrgicos.

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895