Violência contra ciclistas

Violência contra ciclistas

Desrespeito a quem está em uma bicicleta chega a casos de total agressividade

Renato Rossi

publicidade

Andrea saiu de casa para andar de bicicleta. Mas, como milhões de seres humanos neste país violento, foi pega pelo longo braço da violência. Neste caso, contra a mulher. O braço que se projetou pela janela do carro em movimento sintetiza tudo que o Brasil tem de pior: violência desenfreada, falta de respeito humano, preconceitos e agressão contra a mulher e minorias.

Infelizmente ao escolher pedalar numa rodovia interiorana de fluxo veloz fez a escolha errada. Estaria segura com sua bicicleta na cidade de Munique, na Alemanha, que tem a maior rede cicloviária urbana do mundo. Onde motoristas respeitam ciclistas. No recente Salão do Automóvel de Munique a bicicleta ocupou uma grande área ao ar livre. Isto mostra que as montadoras entendem a bicicleta como o veiculo útil e necessário à mobilidade urbana. 

Mas Andrea curtia o momento e pensava estar segura. Se enganou. Um carro popular com quatro homens a bordo veio veloz por trás. O braço surgiu, a mão obedeceu ao instinto bestial e apalpou a ciclista, num assédio sexual violento e explícito que ainda choca na exposição do ato vil na mídia. A ciclista caiu e, por sorte ou ajuda de Deus, não foi atropelada. Salvou-se com escoriações, mas com terrível trauma. 

Se este estupro motorizado tivesse ocorrido nos Estados Unidos, o assediador pegaria uma pena alta de cadeia. Neste Brasil, o estuprador motorizado disse ao delegado que “nem viu a ciclista”. O braço e a mão boba também estavam a lazer e encontraram a ciclista. Afinal, no Brasil, a vítima é sempre culpada. Ainda mais se for mulher. Com muito mais bicicletas em circulação, a violência contra ciclistas se multiplica. Quanto à Andrea, pedale. Mas daqui para frente leve junto uma viatura policial e dois seguranças.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895