Egito que cansa
capa

Egito que cansa

Por

publicidade

deusesMeu deus, como filmam algo assim? Para começar, os principais personagens egípcios são vividos por atores brancos, mais europeus impossíveis, como Gerard Butler, Brenton Thwaites e Nikolaj Coster-Waldau. Depois, parece que um fã de videogame é que dirigiu as cenas de ação.


E vira um desastre "Deuses do Egito" (Gods Of Egypt), dirigido por Alex Proyas. A história é baseada em lenda egípcia, um povo que tem milhares de anos. O poderoso deus Horus (Nikolaj Coster-Waldau), no dia de sua posse como rei do Egito, é cegado e exilado por seu tio, o impiedoso deus Set (Gerard Butler, mais careteiro, impossível). Logo o reino se torna o inferno na terra, com o povo sendo escravizado e os inimigos de Set mortos. Os deuses, todos têm cerca de três metros de altura.


O jovem ladrão Bek (Brenton Thwaites), descontente com a situação e afastado da namorada Zaya (Courtney Eaton), escravizada por um aliado de Set, decide ajudar Horus, apesar de sua mortalidade. E da antipatia de Horus, que afinal é um deus, mesmo cego. Duas horas depois, o público já está cansado de pancadaria, cenas que remetem a video-games e caretas. Sem contar atores brancos vivendo personagens egípcios, morenos desde sempre.