Beleza dos cabelos crespos ganha destaque em concurso online no Rio Grande do Sul

Beleza dos cabelos crespos ganha destaque em concurso online no Rio Grande do Sul

Duas microempreendedoras criaram concurso para exaltar a pluralidade dos fios crespos

Por
Lou Cardoso

Concurso online Mais Bela Crespa Do Rio Grande do Sul está com inscrições abertas


publicidade

Estão abertas as inscrições para o concurso online Mais Bela Crespa do Rio Grande do Sul. Além de propagar um novo conceito de fazer concurso de beleza em períodos de isolamento social, o evento criado por Cíntia Santos e Cláudia Rosa, duas microempreendedoras da área da moda e beleza em Porto Alegre, tem o intuito de exaltar a beleza e a grande pluralidade que existe no cabelo crespo. 

O projeto tomou forma após a marca Krespinha, do portfólio da Bombril, ser acusada de racismo nas redes sociais por associar o cabelo crespo ao produto. Em resposta, as idealizadoras decidiram agir diante do episódio para mudar essa imagem negativa sobre os fios crespos. "Foi ofensivo para mulheres e homens de cabelo crespo, por muitos motivos. Foi uma sensação de impotência, de querer fazer alguma coisa, mostrar que este tipo de coisa não pode mais existir. A gente precisa explicar que isso afeta a autoestima de muitas pessoas", afirmou Cíntia. 

De acordo com Cláudia, o cabelo crespo é uma das principais características da estética negra e é duramente atacado ainda nos dias de hoje. "Não queríamos publicar apenas uma nota de repúdio, a gente queria montar uma ação prática para exaltar a beleza que existe nesse cabelo", disse. 

Cíntia e Cláudia criaram concurso Mais Bela Crespa do RS

O concurso tomou forma em apenas uma semana de conversas entre as empreendedoras que, através dos seus trabalhos, buscam alavancar a autoestima da beleza negra. Cíntia é fundadora da Fly Cursos, empresa que fornece consultoria sobre gestão de negócios e cursos de técnicas de tranças, mega-hair, maquiagem, entre outros. "O grande público da Fly são mulheres que justamente querem ter um negócio da área da beleza voltado para atender uma necessidade que elas têm, que atenda a beleza delas", explicou. 

Já Cláudia criou a marca Cau Brasil para ser uma forma de empoderamento para as mulheres negras, assim como criou a primeira capacitação para modelos negros, onde é fornecido um compilado de workshops de moda, beleza e autoestima. "Existia uma carência da existência da formação desses modelos negros, que tinham pouca oportunidade de estar na passarela, e quando estavam, eles não tinham como lugar de pertencimento. Nós negros temos dificuldade de nos vermos dentro deste espaço de moda e beleza. Isso mexe com a nossa autoestima", afirmou. 

As inscrições podem ser realizadas através neste link até o dia 28 de agosto de 2020. Podem participar mulheres de 15 a 35 anos, que serão avaliadas por oito jurados técnicos e por votação popular através de fotos e vídeos. A premiação contemplará os tradicionais presentes de uma concurso de beleza, como faixa e coroa, além de outros brindes fornecidos por patrocinadores, empresários e microempresários que fazem parte do projeto. 

As microempreendedoras pretendem ainda expandir, para uma futura edição, as inscrições a nível nacional. Segundo elas, o concurso já recebeu inscrições de vários lugares do Brasil, mas, por enquanto, a primeira edição será voltado para mulheres do Rio Grande do Sul que se identifiquem como crespas. "Existe uma questão de nomenclatura dos cabelos crespos, existe tecnicamente, outros tipos de cabelos ondulados e cacheados. Muitas pessoas não tem conhecimento técnico de cada cada cabelo", disse Cíntia.