Tradicional feira de brechós de Porto Alegre completa dez anos ressignificando a moda

Tradicional feira de brechós de Porto Alegre completa dez anos ressignificando a moda

Brick de Desapegos realizará edição dupla neste fim de semana para comemorar a data

Lou Cardoso

Brick de Desapegos foi criado há 10 anos pela publicitária Natália Guasso

publicidade

A primeira feira de brechós e desapegos do Brasil comemora dez anos de história neste fim de ano em Porto Alegre. Criada pela publicitária Natália Guasso, o Brick de Desapegos realizará uma edição dupla neste próximo fim de semana para celebrar uma década recheada de histórias e inspirações. A festa começa no dia 18 de dezembro, a partir das 11h, na Casa de Cultura Mário Quintana (Rua dos Andradas, 736), e continua no dia 19 de dezembro, também às 11h, na Rua João Telles, no bairro Bom Fim, considerada a “casa” do evento na capital gaúcha. 

No sábado, na Casa de Cultura Mário Quintana, a feira vai ter lounge, produção de fotos, desfile do Senac e mais de 30 expositores de moda circular, autoral e sustentável, além de cerveja artesanal e música. No domingo, na João Telles, serão 50 expositores, além da integração com o comércio local de comidas e bebidas e parabéns com distribuição de cupcakes de aniversário no final do evento. No dia, haverá ainda a exposição “10 anos do Brick” com a linha do tempo contando a trajetória dessa feira de moda sustentável.

Mudanças da cultura de consumo 

A cultura sobre a moda sustentável mudou totalmente nesta década, trazendo maior conscientização sobre o consumo de roupas e ressignificando o comportamento sobre reaproveitamento de peças usadas. A prática de garimpar nas araras em busca de achados e de dar nova vida àquilo que não se usa virou rotina nos finais de semana da Capital e mais de 150 mil pessoas já passaram pelas 350 edições Brick de Desapegos nesses dez anos, segundo Natália. 

Mas a maior contribuição do Brick de Desapegos para Porto Alegre está no apoio ao empreendedorismo feminino. Há 10 anos, Natália fez de um desapego pessoal um negócio que acabou se transformando em uma grande feira de moda sustentável e circular, com impacto social e ambiental. Mais do que organizar um evento de moda, a publicitária também incentivou e orientou outras empreendedoras a fazerem suas iniciativas decolarem. 

Além do garimpo 

A advogada Márcia Olmedo nunca havia frequentado um brechó e acabou participando de uma edição do Brick em 2014, para vender suas próprias peças para tentar ganhar alguma renda extra. Acabou vendendo tudo e fez da feira uma faculdade. Aprendeu sobre moda sustentável, aderiu ao Fashion Revolution e foi conquistando cada vez mais espaço e experiência até que, em 2018, abriu sua própria loja, a Tienda Brechó, na Protásio Alves, com apoio de seu colaborador Adriano Claro. “Tenho uma relação de amor com o Brick de Desapegos. A Natália me ensinou muito”, reconheceu Márcia.

Uma das histórias que mostra o papel mobilizador do Brick de Desapegos e de sua fundadora ocorreu durante a pandemia. Ao longo de 2020, os brechós não tinham sequer de onde adquirir as peças por causa do fechamento de muitos lugares. Natália então fez a ponte entre o Tienda Brechó, que também tem um atacado de roupas usadas, com os pequenos brechós de Porto Alegre, que podiam ir até lá e garimpar moda para poder revender.

A iniciativa acabou dando fôlego aos pequenos negócios de moda sustentável no momento mais difícil da pandemia. Natália também criou a feira online quando o evento não podia ser presencial, e atraiu até iniciativas de fora do Rio Grande do Sul, que participavam das lives de vendas feitas no perfil do Brick nas redes sociais.

Foi assim, em uma edição online do Brick que a professora Tatiana Marques deu seus primeiros passos nesse universo. Depois do nascimento da filha mais nova, em 2019, Tatiana decidiu não voltar mais a dar aulas. Em casa, criou uma marca de camisetas subversivas chamada "Coleção de Protesto", mas, durante a pandemia, o negócio não decolou. Depois de assistir uma live da feira, ela se inspirou. “Eu me inscrevi na edição digital, e, com a orientação da Natália, postei peças, fiz live, participei de mentorias e as ideias vinham ao vivo. Adotei o nome Rotina Repentina para marcar esse novo jeito de consumir e este ano aluguei uma sala no Bairro Bom Fim e agora tenho um brechó que atende com hora marcada”, contou Tatiana.

Escola do Brick de Desapegos 

Inspirada por essas e mias histórias, Natália decidiu criar a Escola do Brick de Desapegos para continuar repassando o que aprendeu sobre moda sustentável. Com aulas e mentorias de forma sistematizada, ela pretende continuar apoiando mulheres a desenvolver o empreendedorismo, a ter uma fonte de renda e a transformá-las cada vez mais protagonistas de seus negócios e de suas vidas. A previsão é que o projeto ganhe vida em 2022.

Para quem quiser expor nas edições do Brick de Desapegos ou solicitar informações, pode entrar em contato pelo e-mail: contato@brickdedesapegos.com.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895