Alerta sobre o diabetes

Alerta sobre o diabetes

Por Giullia Piaia

Giullia Piaia

"Eu me orgulho muito do que o SUS oferece, insulina de graça para todos, na dose necessária, e insumos para fazer o tratamento do diabetes tipo 1. (...) O Brasil está entre os países que oferecem as melhores condições para o tratamento do diabetes tipo 1 dentro do seu sistema público de saúde"

publicidade

Um artigo científico internacional publicado na revista Lancet analisou óbitos por diabetes em pessoas com menos de 25 anos em decorrência da doença. Cientistas de diversas instituições e países, inclusive três pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), avaliaram dados de 204 países e territórios com mais de 1 milhão de habitantes. Maria Inês Schmidt, professora da Faculdade de Medicina da Ufrgs, que trabalhou com os colegas Ewerton Cousin e Bruce Duncan, da mesma universidade, conversou com o Correio do Povo sobre como essas mortes podem ser evitadas e sobre o cenário da diabetes no Brasil.

Há maior prevalência de qual tipo de diabetes no Brasil?

Existem vários tipos de diabetes, mas os dois principais são o tipo 1 e o tipo 2. O diabetes tipo 2 chega a ser dez vezes mais comum que o tipo 1. Um diabético 2 é aquele que, em geral, não precisa tomar insulina, consegue se manter com remédios, comprimidos. Já o tipo 1 é bem menos comum, mas é mais difícil para as pessoas conviverem com a doença porque requer, desde o início, o uso da insulina injetável.

Quais as maiores causas da diabetes?

O diabetes tipo 2 está muito associado à incapacidade do organismo de lidar com a insulina que ele consegue sustentar. É o que a gente tem chamado de resistência à ação da insulina. Esse é o problema principal do diabete tipo 2, na medida que ele vai se desenvolvendo, o organismo pode também perder completamente a capacidade de secreção de insulina. Para esse tipo de diabetes, as causas principais têm a ver com alimentação inadequada, baixa atividade física e, também, hoje se sabe, com o aspecto de poluição da atmosfera. As duas questões principais que têm sido trabalhadas são as da alimentação e da atividade física, porque, se a gente consegue mudar estes comportamentos, consegue prevenir ou retardar o desenvolvimento da doença.

O diabetes tipo 1 a gente sabe bem menos a causa, mas tem um componente autoimune e com algumas viroses. Preciso chamar atenção que, ainda se vive a pandemia e é importante a gente se dar conta de que a própria Covid levou ao aumento do diabetes, tanto do tipo 1, quanto do 2. Então, é uma causa a mais que se acrescentou na lista de possíveis causas para essa doença.

O que leva jovens com menos de 25 anos a desenvolverem diabetes tipo 2?

Esses nomes, tipo 2 e tipo 1, são nomes mais recentes. Os primeiros nomes que atribuímos à diabetes eram diabetes da maturidade e diabetes insulinodependente. O insulinodependente era aquele que começava em pessoas jovens e o da maturidade o que só começava em adultos, especialmente em adultos de mais idade. Isso que chamamos de diabetes tipo 2 está me chamando atenção agora porque está muito mais precoce. Então, justificadamente, não se pode mais chamá-lo diabetes da maturidade. Já está aparecendo em adolescentes, em adultos jovens e até em crianças. Já há inclusive óbito pela doença. Esse diabético com início mais precoce, que é um fato novo, diria que começa a se manifestar nos últimos 20 anos, acompanha a pandemia da obesidade. Então, como a obesidade é o fator de risco mais importante para o diabetes tipo 2 e se expandiu para várias faixas etárias, o tipo 2 começou a aparecer em idades mais jovens. Outro fato importante para alertar é que esse diabético mais jovem parece ser mais grave do que aquele que acontece mais tardiamente. Então, não é de se surpreender que já tenha óbitos por essa doença em pessoas com menos de 25 anos.

Como ocorre o diagnóstico?

O diagnóstico é feito por meio de uma glicemia \[um exame de sangue\]. A gente tem a glicemia feita em jejum de pelo menos oito horas, tem a glicemia feita após a ingestão de um xarope contendo glicose e também um exame chamado hemoglobina glicada. Se qualquer um desses três exames estiver alterado, a gente pode chamar de diabetes. Uma vez feito o diagnóstico, é importante distinguir se é tipo 1 ou 2. Aí vai depender da forma de apresentação da doença. Diabetes 1 tende a ser muito mais sintomático. As pessoas começam com muita produção de urina, muita sede, começam a se sentir mais fracas, pode dar diarreia e ir rapidamente, em questão de um dia ou dois, para um estado de cetose diabética. No tipo 2, os sintomas são muito insidiosos, muito leves, 50% são assintomáticos e a gente só consegue detectar por um dos testes que mencionei.

De que forma este estudo contribui com o tratamento da diabetes?

Este estudo aponta uma situação grave que mostra que nós não temos insulina disponível a todos e que isso está levando a óbitos plenamente evitáveis. Então, um dos aspectos disso é, primeiro, mostrar o diagnóstico do mundo e, segundo, mostrar uma métrica viável de monitorar as ações de saúde que são necessárias em relação a isso. E o segundo aspecto alerta as pessoas de que o diabetes tipo 2 pode ser bastante grave e precisa ser tratado com toda a força, especialmente nos mais jovens.

Que tipos de tratamentos precisam ser ofertados para que essas mortes sejam evitadas?

Para o diabetes tipo 1, é essencial o uso de insulina. E o uso tem que ser na dose necessária para as pessoas, porque na medida em que o custo começa a crescer, as pessoas recebem a insulina e ficam dividindo a dose para durar mais tempo, por questões financeiras, dificuldades de conseguir a insulina. Isso leva a um estado de descompensação de diabetes e que torna a pessoa mais suscetível a cetoacidose diabética e, inclusive, ao óbito. Então, não só é essencial que a insulina seja disponível a todos que dela precisam, mas com as doses as necessárias. Esse é o primeiro aspecto. Nós comemoramos os 100 anos do primeiro uso da insulina em humanos no ano passado. Quando ela foi feita, foi patenteada a 1 dólar apenas, para que estivesse disponível a todos. Então, é irônico hoje a gente se dar conta de que isso não é possível, porque o custo ficou muito elevado. Ou o sistema de saúde cobre essas despesas ou as pessoas ficam na dependência da sua possibilidade financeira.

Como o índice de diabetes no RS se compara aos de outros estados? 

Sul e Sudeste têm maior prevalência de diabetes porque têm população mais idosa e a idade está muito associada ao aumento do diabetes tipo 2. Mas é alto em praticamente todos os estados brasileiros. Se ajustarmos o modelo para levar em conta fatores de idade, o Nordeste aparece como sendo uma região também importante para o diabetes. 

E o índice do Brasil com o de outros países de mesmo nível de renda?

Diria que nós estamos mais ou menos no meio. Nem raro e nem os mais comuns. Os mais comuns realmente acontecem em alguns países do Oriente Médio e em algumas ilhas onde a incidência pode chegar a 60% da população. Não estamos nesse patamar porque ainda temos menos obesidade que esses lugares. 

Qual o papel do Sistema Único de Saúde (SUS) no tratamento da diabetes?

Eu me orgulho muito do que o SUS oferece, insulina de graça para todos, na dose necessária, e insumos para fazer o tratamento do diabetes tipo 1. Poderia ser melhor? Poderia. Sempre pode ser melhor, mas o Brasil está entre os países que oferecem as melhores condições para o tratamento do diabetes tipo 1 dentro do seu sistema público de saúde. Essa é uma questão muito importante. A outra coisa é o atendimento a quem tem diabetes tipo 2. Hoje, os remédios principais, que são chamados de lista de medicamentos essenciais, já estão disponíveis no setor primário de atenção à saúde. Então, os médicos de atenção primária já podem prescrever esses comprimidos para quem tem diabetes tipo 2. E aí de novo é um orgulho. Estamos entre os 5 ou 10 países com a melhor situação que eu conheço no mundo.

 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895