Amorphis: “Nossas influências vêm do rock dos anos 70 e hard rock”
capa

Amorphis: “Nossas influências vêm do rock dos anos 70 e hard rock”

Tecladista Santeri Kallio conversou com Correio do Povo sobre a carreira e o show da banda que ocorre neste sábado em Porto Alegre

Por
Chico Izidro

Banda finlandesa é a atração de fechamento do sábado do Inked Art Tattoo, às 20h30min, na Fiergs

publicidade

O Inked Art Tattoo Fest começou nesta sexta-feira e segue neste fim de semana no Centro de Eventos da FIERGS, em Porto Alegre (avenida Assis Brasil, 8787). Além de atividades relacionadas à tatuagem, o evento apresenta também uma extensa programação cultural. Entre os destaques está a banda finlandesa Amorphis que toca pela primeira vez na Capital, às 20h30min, neste sábado. Os ingressos podem ser adquiridos pelo site Ticket Mais. 

O grupo, do alto dos seus 29 anos de estrada, mostra a consagrada fusão entre folk, rock progressivo e death metal que os transformou em um dos grandes expoentes do som pesado mundial. A passagem pela cidade faz parte da turnê de divulgação do novo álbum “Queen Of Time”, lançado em 2018. Porém, clássicos de toda a carreira devem compor o repertório, como “My Kantele”, “House of Sleep”, “The Smoke”, “Black Winter Day”, “Against Widows”, “Silver Bride”, “The Castaway”, “Into Hiding”, “Alone” e “Sky Is Mine”. 

O tecladista da Amorphis, Santeri Kallio, conversou com Correio do Povo sobre o show deste sábado, a carreira, entre outros assuntos.

Como está a expectativa para essa nova turnê no Brasil? O que você espera de Porto Alegre, onde vocês farão a sua estreia brasileira?
Santeri Kallio - Para ser honesto, não sei nada sobre Porto Alegre. Apesar de tudo, não tocamos tanto no Brasil no passado. Estamos muito animados para tocar em Porto Alegre. Acho que só tocamos algumas vezes em São Paulo e fizemos um festival. Então o Brasil é um território bastante ainda virgem para Amorphis. Acabamos de terminar a turnê europeia, em janeiro e fevereiro, e a turnê russa em março. Pelo menos, estamos esperando um clima quente em Porto Alegre. Isso seria perfeito para uma mudança!

A banda tem rodado ao redor do mundo no lançamento do álbum “Queen Of Time”. Como está sendo a recepção do público e da mídia sobre o álbum?
Santeri - As pessoas receberam “Queen of Time” muito bem. Foi intitulado como uma obra-prima e um dos melhores álbuns que já fizemos. Geralmente há opiniões a favor e contra, mas pessoalmente eu acho que é algo novo para a cena, nós estamos realmente orgulhosos disso. Eu acho que é um tipo de música intemporal. Você sabe que é difícil de colocar em algum lugar no tempo. Vamos ver. Só o tempo dirá.

Pelo menos nós nos tornamos maiores na Europa com este álbum, eu acho que o público foi muito maior depois do lançamento do QOT. Claro que nossa trabalho duro durante estes anos têm provocado isto. As pessoas pareciam saber todas as músicas que tocamos do QOT logo após o lançamento. Isso deve significar alguma coisa. , então isso deve significar alguma coisa.

De onde surgiu a ideia neste álbum de usar instrumentos de cordas, flautas, arranjos de orquestra e até mesmo coro?
Santeri -  Essas ideias vieram do produtor Jens Bogren, mas como você sabe, temos usado instrumentos autênticos desde “Tuonela” (1999). Com a “Queen of Time”, nós apenas os usamos um pouco mais. Os novos addons seriam verdadeiros instrumentos de cordas e coros que nunca usamos antes. Nós certamente tivemos muitas idéias e cordas de coral nas demos do passado.

Talvez agora com as conexões de Jens, finalmente tivemos a chance de realmente colocá-las em realidade. Normalmente nós apenas executamos essas ideias com sintetizadores, mas agora decidimos ir mais longe, e valeu a pena. Foi um processo fácil para nós. Jens cuidou de toda a logística com os artistas de addon. No geral, acho que ele fez um ótimo trabalho e estamos muito orgulhosos de como ficou. 

Conte-nos sobre a produção musical de Jens Bogren?
Santeri - Bem, Jens tem autoridade para usar suas habilidades de produção e visão em nossas músicas. Ele cria uma visão sobre o som geral e cuida dos músicos convidados. Ele também decide quais músicas são levadas para o processo e como elas são apresentadas. Definitivamente, havia sete pessoas trabalhando neste projeto, todas com o mesmo objetivo.

Jens teve papel de produtor para o som geral e as faixas, e os membros da banda tinham uma responsabilidade e um papel para trazer os blocos de construção para este projeto. Todo o resto foi mais ou menos coordenado pelo produtor. Jens também cuidou de organizar a maioria dos músicos convidados, principalmente porque ele tem boas conexões com esses músicos profissionais e ele pode confiar que eles podem trazer coisas profissionais para a mesa, com risco mínimo.

Quais são as influências da Amorphis? Quais artistas você fez uma grande reverência?
Santeri - Eu acho que as influências vêm principalmente do rock dos anos 70 e hard rock. Todos nascemos nos anos 70 e crescemos com vinis e cassetes. Compartilhamos praticamente o mesmo tipo de gosto musical com alguma variação, é claro. Todos nós amamos música finlandesa dos anos 70; Wigwam, Tasavallan Presidentti e Pekka Pohjola, para citar alguns, também gostamos de rock e metal clássicos, como Motörhead, Black Sabbath, Led Zeppelin e assim por diante. Também o heavy-rock dos anos 80, de Dio, a Judas Priest, Iron Maiden, Accept, Slayer, o início do Metallica e assim por diante. São os favoritos de todos.

Também todos respeitam antigas bandas étnicas finlandesas como Piirpauke. Se você misturar as étnicas finlandesas e as progressivas antigas, então adicione um pouco de hard rock dos anos 70, Metal Britânico dos anos 80 e juntar com a velocidade clássica e vibrações do thrash metal, você consegue um dos ingredientes do quais a Amorphis é feita. 

Passaram-se 28 anos desde o início da banda. O que o público pode esperar de suas apresentações no Brasil?
Santeri - Bem, nós não visitamos muito o Brasil, então, é claro, vamos apresentar as músicas do novo álbum “Queen of Time” e também preencher o set com as oldies e goldies. Nós sempre tentamos manter o público feliz, não esquecendo que temos que construir nossa carreira por um tempo maior - seguir em frente - o que significa que também haverá muitas músicas do “Queen of Time”.

O que você lembra sobre suas outras viagens pelo Brasil? Como o nosso país é visto na Finlândia?
Santeri -  O Brasil é visto como um país adorável, caloroso e enorme pelos finlandeses. Sabemos muito sobre o futebol brasileiro; com Pelé e assim por diante. Quando eu era criança, nos anos 80, ainda me lembro de alguns incríveis jogadores brasileiros; Zico, Sócrates, Romário e assim por diante. Os finlandeses também sabem muito sobre a cultura do samba brasileira.

Fui passar as férias no Rio de Janeiro e também visitei as Cataratas do Iguaçu há alguns anos. Nós até tivemos um clube de samba na escola nos anos 80. Os finlandeses amam o Brasil, e eu acho que eles vão visitar mais e mais o Brasil no futuro.  Está ficando mais fácil e barato vir para cá. Na Amorphis, estamos muito animados por termos quatro shows no Brasil. Isso é muito bom do nosso ponto de vista. Mal posso esperar!