Retrospectiva 2020: Desigualdade social despertou empatia

Retrospectiva 2020: Desigualdade social despertou empatia

Especialistas analisam os temas que mais marcaram 2020

Taís Teixeira

Cesar Franarin, presidente da ONG Sol Maior distribui alimentos

publicidade

A situação de extrema vulnerabilidade de algumas famílias fez com que a organização não governamental (ONG) Sol Maior assumisse uma nova frente diante da pandemia: arrecadar alimentos, itens de vestuário e produtos de higiene para serem distribuídos entre as 450 crianças e adolescentes atendidos pelo projeto. Além das atividades lúdicas, usadas como instrumento de transformação social, a ONG passou a ajudar na sobrevivência de pessoas carentes  e ganhou o apoio voluntário de empresas e pessoas físicas. Essa força-tarefa já somou 28 toneladas de alimentos e kits de higiene e limpeza distribuídos durante a pandemia para quem precisa, uma atitude que revela o despertar da solidariedade em meio às dificuldades do momento.

A Sol Maior existe há quanto tempo e presta atendimento a quais públicos?  

Criada em 2007, a Sol Maior tem o objetivo de ser um espaço de proteção e promoção social garantindo o exercício da cidadania, por meio de ações socioeducativas. A música e a dança são ferramentas transformadoras. Respeito, solidariedade e  responsabilidade são valores cultivados diariamente na instituição e integram o processo de formação de cidadãos. Os resultados são o resgate da autoestima dos alunos, o fortalecimento dos seus  vínculos familiares e a perspectiva de um futuro melhor, com encaminhamento dos alunos egressos para o mercado de trabalho. Os dados apontam também para uma grande melhoria do comportamento e desempenho  nas escolas. 

Quantas crianças são beneficiadas? 

A ONG Sol Maior atende 450 crianças e adolescentes por ano, com idade entre 6 a 17 anos, em situação de vulnerabilidade social, moradores de comunidades de Porto Alegre, atingindo  indiretamente mais de 2000 pessoas por ano.

Como foi a adaptação das atividades com a chegada da pandemia? 

Desde março, com o início da pandemia e do isolamento social, as oficinas de música e dança passaram a ser transmitidas de forma on-line. A Sol Maior manteve o corpo de educadores em atividade. Mais de 300 oficinas teóricas e práticas de música e dança foram disponibilizadas pelo canal da instituição no Youtube. Entretanto, existe um percentual de alunos, ainda não definidos, que não tem condições para acessar.

A ONG já distribuía alimentos e roupas? 

 A ONG dedicava-se ao  foco de transformar crianças e adolescentes por meio da música e da dança – aliadas ao acolhimento afetivo, ações lúdicas e cultivo de valores sólidos. Excepcionalmente organizava alguma feira para vender roupas e calçados doados para os alunos e suas famílias. Com a pandemia da Covid-19, houve a necessidade de criar ações de provimento alimentar para os vulneráveis.

Como surgiu a ideia de fazer doações? 

A Sol Maior identificou que algumas famílias estavam em situação limite, praticamente passando fome. Visitamos algumas e decidimos que deveríamos agir no sentido de supri-las com cestas básicas. A dura realidade das famílias, a maioria sem trabalho desde março, exigiu que a instituição se ocupasse  também  da sobrevivência dos alunos. O trabalho vai continuar enquanto persistir o cenário desta pandemia.  

Quais volumes já foram doados? De quais itens? Quantas entregas foram feitas? 

Foram distribuídas 28 toneladas de alimentos e kits de higiene e limpeza para os usuários da Sol Maior (famílias e alunos), além de calçados e meias. 

Cestas básicas – cerca de 1100   

Vale Gás: 165 unidades 

Kit Higiene e Limpeza: 744 kits   

Calçados: 1670 pares  de calçados, bem como 5  mil pares de meias  foram distribuídos nas comunidades – uma doação da empresa parceira Paquetá. 

Kits Lanche: 845 kits entregues nas comunidades para as crianças e adolescentes do projeto 

Vocês sentem que as pessoas estão mais engajadas e mais solidárias neste momento? 

Creio que houve um movimento solidário no Brasil inteiro, tanto por parte das empresas quanto de pessoas físicas. A desigualdade social do país ficou muito mais evidente e o brasileiro mostrou fortemente  o seu compadecimento com as dificuldades dos vulneráveis. Na Sol Maior, nos surpreendemos com a disponibilidade de pessoas físicas, que passaram a colaborar durante a pandemia. Os familiares dos alunos sempre foram solidários e  durante a pandemia, as ações e este sentimento foram  intensificados. 

Aumentou o número de voluntários? 

Sim, pois os professores, monitores ,bem como funcionários administrativos, arregaçaram as mangas e dedicaram-se com afinco a  esta tarefa de subsidiar a alimentação básica das famílias dos alunos.

De onde vem essas doações e como estão sendo recolhidas? 

As doações são uma iniciativa da Sol Maior, que utilizou as verbas de patrocínio de empresas parceiras para exercer estas ações durante a pandemia.  Pessoas físicas também fizeram algumas doações para as cestas básicas. A instituição compra os produtos e faz a entrega pessoalmente, através de seus colaboradores. 

Quantas famílias estão sendo atendidas? 

Das 450 crianças e adolescentes do projeto, cerca de 95% das famílias estão recebendo as doações e os atendimentos da Sol Maior, de alguma forma. Cerca de 50% das famílias receberam as cestas básicas e as demais, outros benefícios como kits lanches e calçados. 


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895