Abrigo

Abrigo

Alina Souza

Escola Alvarenga Peixoto foi utilizada como abrigo de famílias desalojadas pela inundação no bairro Arquipélago.

publicidade

No contexto do frio, da chuva, do rio adentrando ruas, um menino expressava a resistência de seu próprio mundo, local tão alto e seguro que as águas sujas não conseguiram alcançar. Estávamos na Escola Alvarenga Peixoto, na Ilha dos Marinheiros, abrigo das famílias desalojadas pela inundação no bairro Arquipélago, Porto Alegre. A criança envolvida na magia do quadro negro despertou em mim um sol que fez arejar a realidade alagada de desalento. Enquanto as mulheres ajeitavam os pertences sobre as classes, o menino aproveitava a louça livre da sala de aula. Profissionais de saúde cochichavam sobre sintomas de uma população em perigo. Impossível o corpo não sentir os efeitos da baixa temperatura, ainda mais quando a fluidez gélida toca os pés, os joelhos, a cintura. Toca, mas não afoga sonhos, criatividade, manifestos. A pequena mão conduzia o giz decidida, sem tremores. Traçava formas claras na superfície obscura, como se prescrevesse lições para o futuro. Observei mais um pouco, apertei o botão do obturador e vi, em segundos, o engajamento infantil dar lugar à maestria de um professor.


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895