capa

Acalanto

Por
Alina Souza

Dia das Mães.

publicidade

Nascemos e, de repente, o mundo é um susto. Um ventre de arredores infinitos. Procuramos a presença calorosa que nos explicará esse frenesi de luzes, cores, movimentos. E mãe é aquela que escolhe conduzir os passos desse ser assustado diante da aventura de viver. Acalenta, protege, sussurra calma. Nem sempre uma ligação biológica. Sobretudo um elo de amor, resistente ao tempo e à distância. Escapa do plano físico, estabelece-se no olhar, no afago, no embalo. Afeto discreto, de quem quer estar sempre por perto. Lembra-nos do casaco nos dias que ameaçam frio, cobra as boas notas na escola e tantas outras atitudes de carinho as quais, quando jovens, não reconhecemos a importância. Depois, adultos, tornam-se vigorosa saudade. Ela fez tudo pensando no nosso bem, por força de um sentimento gigante que cabe dentro de uma palavra tão curta e certeira. Mãe. Se chegamos até aqui é porque alguém abriu a porta e se importou em arrancar as ervas daninhas. Preocupou-se em deixar o caminho preparado. Para avançarmos, mas também voltarmos com um abraço.