Aprendendo com as aves
capa

Aprendendo com as aves

Por
Alina Souza

Caturritas na cidade

publicidade

Eu vejo passarinhos verdes. Eles construíram uma comunidade em uma árvore aqui perto de casa. Alguém me disse que estão por toda parte em Porto Alegre. Respondi: “ainda bem”. Ninhos de esperança em dias abarrotados de notícias tristes. Quando a fase difícil passar, saberemos valorizar melhor a liberdade, como bem fazem as aves. Alegres, chamativas, as caturritas entoam um dialeto que rasga o silêncio, sacode o ar, atravessa distâncias. Espertas, camuflam-se entre as folhas, envolvem-me em uma brincadeira de esconde-esconde. No fundo do emaranhado natural, localizo um casal ocupado em se amar. Logo eles percebem minha curiosidade e passam também a me observar. Não falamos a mesma língua, mas os olhos se entendem. Algo nos une: a vida. Cada pedaço de existência vale muito, ansiamos sempre um pouco mais de tempo, não aceitamos quando um galho subitamente se parte e nossas asas paralisam de susto e medo. Queremos andar ao lado de nossos bandos, sem perder a singularidade. E a paciência. Agora o instante demora, apavora. Manteremos o equilíbrio. Esperaremos o que for preciso para, enfim, voltarmos a voar.