Expansão
capa

Expansão

Por
Alina Souza

Praça Raymundo Scherer, bairro Jardim Botânico, Porto Alegre.

publicidade

Aos poucos, uma trêmula retomada. Afoitos, os passos percorrem as ruas como se tudo tivesse mudado de lugar. Os dias de confinamento aumentaram a vontade de sentir o mundo e questionar o absoluto. Entre a redescoberta e o desejo, mora o medo, a apreensão. Uma luz brilha atrás dos galhos, mas ainda difusa, incerta, ilumina o instante e nada mais. Talvez as bandeirinhas na Praça Raymundo Scherer, no bairro Jardim Botânico, na capital, já estivessem lá no período anterior à pandemia. Porém, eu vivia ocupada em cumprir tarefas e voltar para casa. Só agora tais enfeites assumiram um significado amplo para mim. É possível entrever a presença das pessoas através de manifestos, vestígios. Por trás do cordão decorativo pendurado às árvores de um espaço público, há outro barbante mais forte e resistente: o elo humano. O engajamento coletivo. Um fio que se estende para além do peso e do pesadelo, da palavra seca e da perda. Não indica onde termina nem onde começa, um fio que nos enrosca e nos liberta.