Passagem
capa

Passagem

Mensagem de otimismo diante da pandemia do Coronavírus colada em prédio na rua Espírito Santo, em Porto Alegre.

publicidade

Quando eu me machucava, minha mãe dizia “calma, vai passar”. Com tais palavras, as feridas, hematomas e decepções doíam menos e significavam algo mais. A respiração alterada voltava ao fluxo normal e um esboço de sorriso surgia na face já refeita após o breve desespero. Um lampejo de lucidez. A mãe também aconselhava a não segurar o choro. Então eu deixava as lágrimas escorrerem até enfraquecerem. E me tornava mais forte. Conseguia resgatar um resquício de esperança que logo se transformava em uma torrente na qual eu embarcava rumo à aldeia dos sonhos. Meu esconderijo predileto. Até hoje, e sobretudo hoje, a frase “vai passar”, pronunciada com a voz acolhedora materna, permanece como alento quando a tristeza passeia à minha frente. A lembrança vem carregada de saudade. Perene, inviolável. Vida composta de fases, mas também de elos que perpassam estas etapas. Todo o resto que não está alicerçado no coração desbota, descola. A mão que afaga abranda o medo. Recorda que, amanhã ou depois, os objetos não estarão mais no mesmo lugar, e o que parecia insuportável, de súbito, silenciará.