Pedras

Pedras

Alina Souza

Morro das Furnas em Torres

publicidade

Torres. Tantos anos resguardados dentro destes rochedos. Sensíveis, ainda que pedras. Talhadas pelos ventos, pelos movimentos, pela inquietação nas camadas profundas do planeta. Aparentemente inférteis, secas, bruscas. No entanto: esculturas. Incontáveis formas, desenhos. Imaginação. Há o verde que as permeia, as flores que nascem nas reentrâncias, os respingos d’água que umedecem a superfície, infiltram-se e brilham como gotas no fundo dos olhos carregados de histórias. As rochas sentem. São belas, resistentes, bravas, preservam segredos do universo. E choram. Sim, o mundo é para os fortes, mas a força não impede a sensibilidade, tampouco oculta os pontos escorregadios, frágeis, tão comuns às grandiosas muralhas. A solidez se materializa através do tempo, da maturidade, do saber lidar com o medo e inevitáveis erosões. Os restos de trajetos sedimentam-se, criam identidade. Alguns dirão: apenas pedregulhos. Eu também diria. Mas a vida ensina que é justo na dureza que se abre caminho para esculpir.

Texto e fotos: Alina Souza


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895