Samba-enredo
capa

Samba-enredo

Por
Alina Souza

Bloco da Laje


publicidade

Com licença, o bloco da felicidade quer passar. Propõe uma pausa no excesso de seriedade que tantas vezes encobre as alegorias na avenida entre a mente e o coração. Clama pela retirada do filtro cinzento de preocupação sobre as cores vivas do presente. E o corpo? Feliz é aquele que se solta, perde-se nos passos e decide inventar seu próprio ritmo, sem esperar aplausos ou qualquer outro desejo que escape da alçada de nós mesmos. Os foliões deste bloco criam seus próprios adereços e não temem o erro. Se sair algo errado, que saia assim mesmo, há tanta beleza no imperfeito. Amar a si sem culpa, mas também sem exageros, é o novo tema do samba-enredo. Dentre as regras do desfile, a mais importante consiste em respeitar o limite do outro. Espaço existe para todo mundo, basta ter gentileza e educação. Quem participa, não se arrepende. Na quarta-feira de cinzas, a fantasia já desfeita, as fitas perdidas, mas, ainda assim, soa sôfrega a batida de um eterno carnaval.