Inter: a magia do técnico
patrocinado por

Inter: a magia do técnico

Ele cometeu a mágica de fazer desaparecer tudo aquilo que havia sido construído por Abel

publicidade

O modestíssimo e desconhecido Always Ready bateu o Inter por 2 a 0 na estreia da Libertadores. A avaliação que segue merece o desconto pela altitude de La Paz.

Se a ideia do treinador Ramírez é propor um novo esquema de jogo, já deu certo. Ele cometeu a mágica de fazer desaparecer tudo aquilo que havia sido construído por Abel.

Zé Gabriel, o encantador de técnicos (só não encantou Abel), armou o ataque do segundo gol dos bolivianos quando o Inter pressionava em busca de pelo menos um empate. 

Hoje saberemos porque o segundo melhor jogador do meio para frente, Patrick, nem começou a partida. E porque Edenílson, o melhor, saiu no segundo tempo.

O Inter começou com um primeiro volante, Dourado, um segundo, Edenílson, um meia atacante, Maurício, e três atacantes, Caio, Palacios e Galhardo. Se a intenção era atacar, ficou na intenção.

O melhor? Lomba. Levou dois mas evitou a goleada. Lucas Ribeiro, um zagueiro entrou no intervalo da partida na vaga de Caio, um atacante, para ser sacado depois. Vai entender!

A altitude fez efeito. O maior deles no treinador.
 

Always Ready: Lampe; Machado (Enoumba), Cummings, Cabrera e Flores; Ramallo, Saucedo, Arce (Galindo) e Sanguinetti (Mosquera); Ovejero (Algarañaz) e Vieira (Rodríguez). Técnico: Omar Asad. 
Inter: Marcelo Lomba; Heitor, Zé Gabriel, Cuesta e Moisés (Rodinei); Dourado, Edenilson (Praxedes) e Mauricio; Caio Vidal (Lucas Ribeiro) (Nonato), Palacios (Yuri Alberto) e Galhardo. Técnico: Miguel Ángel Ramírez. 

49%
Posse de bola
51%
21
Finalizações
10
8
Finalizações no gol
2
10
Finalizações para fora
5
3
Chutes travados
3
5
Escanteios
1
1
Impedimentos
0
23
Faltas
9
3
Cartões amarelos
4
1
Grandes oportunidades
0
1
Grandes chances perdidas
0
0
Chute na trave
1
2
Contra-ataques
0
1
Chutes em contra-ataque
0

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895