Conforto para tempos sombrios
capa

Conforto para tempos sombrios

Por

Sutil faz melhor tempo no 2º treino livre no Japão

publicidade

Um país sul-americano de péssima fama, a Colômbia, deu um exemplo ao mundo de solidariedade, de civilidade, de sensibilidade e de humanidade. Para tudo pode haver um tempo. Agora, com os mortos enterrados, eu penso melhor nessa aula de humanismo dada pelos colombianos. Foi preciso que a morte irrompesse de maneira brutal para que o jogo voltasse a ser apenas um jogo. Enquanto isso, no Brasil, os poderes afundam o país no casuísmo. A aposentadoria vai se tornar uma miragem para uma boa parte da população. Tudo parece a deriva. Em meio à estupefação, eu me protejo com as palavras do poema de T.S. Eliot. Uma oração. Ou um desabafo.


“Em meu princípio está meu fim. Umas após outras

As casas se levantam e tombam, desmoronam, são ampliadas,

Removidas, destruídas, restauradas, ou em seu lugar

Irrompe um campo aberto, uma usina ou um atalho.

Velhas pedras para novas construções, velhos lenhos para

novas chamas,

Velhas chamas em cinzas convertidas, e cinzas sobre a terra

semeadas,

Terra agora feita carne, pele e fezes,

Ossos de homens e bestas, trigais e folhas.

As casas vivem e morrem: há um tempo para construir

E um tempo para viver e conceber

E um tempo para o vento estilhaçar as trêmulas vidraças

E sacudir o lambril onde vagueia o rato silvestre

E sacudir as tapeçarias em farrapos tecidas com a silente

legenda.

Em meu princípio está meu fim. Agora a luz declina

Sobre o campo aberto, abandonado, a recôndita vereda

Cerrada pelos ramos, sombra na tarde,

Ali, onde te encolhes junto ao barranco enquanto passa um

caminhão,

E a recôndita vereda insiste

Rumo à aldeia, ao aquecimento elétrico

Hipnotizada. Na tépida neblina, a luz abafada

É absorvida, irrefratada, pela rocha grisalha.

As dálias dormem no silêncio vazio.”