Efeito Casablanca

Efeito Casablanca

Prejudiquem os trouxas de sempre

publicidade

Cada vez mais vejo o futebol com uma boa metáfora da vida. Há relações de causa e efeito. Há situações que se repetem. Há dominantes e dominados. Há desconfianças. De repente, no meio da pandemia, fico até constrangido de falar de futebol. Se o faço é por ver no futebol atualmente uma fresta de respiro ao meio ao caos para que pessoas se distraiam do horror que nos cerca.

No clássico filme “Casablanca” há uma frase que ficou famosa pelo seu delicioso cinismo: “Prendam os suspeitos de sempre”. No Brasil, em confrontos com cariocas e paulistas, vale o efeito Casablanca: prejudiquem os trouxas de sempre. O Internacional foi “operado” em 2005 em favor do Corinthians. Em 2021, 0 VAR, tecnologia criada para eliminar todas as polêmicas e já consagrada por só produzir confusão, entrou em campo e ajudou o Flamengo. Dá vontade de disputar o campeonato uruguaio. O bairrismo de cariocas e paulistas não tem limites. É preciso que ganhem sempre. São o centro do mundo (do nosso).

      Nos últimos quatro jogos, o Inter, que vinha de nove vitórias seguidas, foi atropelado pelo VAR. Em Curitiba, contra o Athlético-PR, não foi dado um pênalti ao final do jogo. Contra o Sport, em Porto Alegre, o VAR não opinou sobre uma bola que saiu e resultou no segundo gol dos visitantes. Contra o Vasco, no Rio, o árbitro deu um pênalti claramente inexistente para os cariocas. Em consequência, tirou, com um amarelo, Cuesta do jogo contra o Flamengo. O cobrador, talvez envergonhado, errou o chute. Contra o Flamengo, numa decisão, em lance sem intenção, Rodinei pisou o pé de Filipe Luis. O árbitro nada deu. O próprio jogador do Flamengo reconheceu em campo que foi acidente. O VAR chamou o árbitro e o lateral do Inter foi expulso. Caminho aberto para a vitória do Flamengo e para a mitologia global: hegemonia. O mesmo árbitro, em lances iguais, em outras partidas não havia dado um só cartão vermelho.

      O encadeamento de fatos, se a palavra não soar pomposa ou trágica, revolta. Internacional e Vasco era jogo decisivo. Não veio em televisão aberta para o Rio Grande do Sul. Falaram que era negócio. Vender jogo fechado. Passaram Corinthians e Flamengo. Curiosamente, neste domingo, paulistas não viram a “final” entre Flamengo e Inter, mas Corinthians e Vasco. Critério: paulista quer ver paulistas. Gaúcho tem de ver paulista e carioca dentro da ideia vira-lata de espanholizar o Brasil fazendo de Flamengo e Corinthians especiais. Talvez por isso os títulos tenham de ser reservados a eles. Isso revela uma visão de mundo. E assim vai: 2005, 2009, 2021. Neotáticos – deslumbrados por esquemas táticos e tecnologia –, Globo, CBE, cariocas e paulistas estão felizes. Uma vitória de Abel, considerado velho e ultrapassado, estraga o roteiro.

      O efeito Casablanca acontece em muitas outras áreas. Quase todas. No futebol, o VAR se omite quando convém, interfere quando necessário e dá o óbvio para se mostrar neutro e técnico. Não falta nunca aos seus senhores. Claro que tudo isso pode ser enquadrado na categoria paranoia ou em teorias da conspiração. As coincidências são tantas que o inverossímil se torna factível. O campeonato ainda tem uma rodada. O Inter enfrenta o Corinthians em casa. O Flamengo pega o São Paulo fora. Pode acontecer um milagre. Parar Corinthians e Flamengo num mesmo dia, em que o primeiro pode ajudar o segundo e ambos fortaleceram o bairrismo Ri de Janeiro – São Paulo, seria uma façanha. Derrubaria o efeito Casablanca. O VAR permitiria algo assim?

Métafora da vida, o futebol nos faz pensar: que lugar ocupamos em nosso lugar?


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895