Manual Antirracismo
capa

Manual Antirracismo

Djamila Ribeiro destaca papel dos brancos no combate ao racismo

publicidade

Eis um pequeno grande livro. De formato diminuto, cabe no bolso, “Pequeno manual antirracista”, de Djamila Ribeiro, traz gigantescas reflexões. O cardápio não permite recusas: informe-se sobre o racismo, enxergue a negritude, reconheça os privilégios da branquitude, perceba o racismo internalizado em você, apoie políticas educacionais afirmativas, transforme seu ambiente de trabalho, leia autores negros, questione a cultura que você consome, conheça seus desejos e afetos, combata a violência racial e sejamos todos antirracistas. Direto.

      Uma grande aula sobre o racismo estrutural da sociedade brasileira. Paradoxos e contradições são desvelados: “Como vimos, a maioria das pessoas admite haver racismo no Brasil, mas quase ninguém se assume como racista”. Amparado em finas análises, em consistente bibliografia e em farta estatística, o livro aborda temas como apropriação cultural, cotas, escravidão, imigração, expressões racistas utilizadas corriqueiramente como se não o fossem e artimanhas para tentar dissimular o preconceito como a do chamado “negro único”.

      É a empresa que se defende: “Veja só, não somos racistas, temos o Fulano, que é negro, trabalhando em tal departamento e, inclusive, ele adora trabalhar aqui, não é mesmo, Fulano”. Constrangido, intimidado, temeroso, Fulano concorda. Djamila desmascara: “Dessa forma, é preciso romper com a estratégia do ‘negro único’: não basta ter uma pessoa negra para considerar que determinado espaço de poder foi ‘dedetizado contra o racismo’”. Os brancos têm um papel a desempenhar na luta contra o racismo. Precisam agir. Sair da omissão.

      Djamila Ribeiro argumenta: “É fundamental que as pessoas brancas compreendam os mecanismos pelos quais o racismo opera, pois podem reproduzi-los acreditando estarem imunes por terem um marido, uma esposa ou um filho negros”. O racismo tem mil formas de expressão. Uma delas é a ausência. Em determinadas situações, negros não aparecem: “Quando assistir a um filme ou a uma novela, procure refletir sobre a presença ou a ausência de atores e atrizes negros. Quantas pessoas negras estão atuando? Que personagens interpretam? O mesmo vale para qualquer produto cultural: quando for a uma exposição de arte, a uma festa literária, a um debate sobre poesia, quando ler um livro ou folhear uma revista”. Onde estão negros? Em que papel? Dizendo o quê?

      Tem mais: “E, para você que pode contratar profissionais da cultura ou investir em projetos culturais, reflita quem você escolhe para a equipe e quais temas estão sendo tratados. Você está fazendo o que para contribuir para a luta antirracista?” Em geral, nada. Processo de seleção costuma revelar os preconceitos internalizados. As escolhas, pretensamente objetivas, deixam vazar subjetividades inconfessáveis. O racismo é um infame sistema de hierarquia social que se reproduz com seleções por aparência e chama de meritocracia as marcas da desigualdade histórica. Está com dificuldade em encontrar um presente para alguém, não hesite: “Pequeno manual antirracista”.