capa

Amistosos contra Venezuela e Marrocos aumentam dúvidas da Argentina para a Copa América

Dybala novamente ficou devendo com com a camisa da Argentina

publicidade

A Argentina teve poucos pontos positivos nos amistosos contra Venezuela e Marrocos, os últimos antes da convocação final para a Copa América. Nessa terça-feira, a Albiceleste até venceu os marroquinos por 1 a 0, mas mostrou mais uma atuação que deixou a desejar.

O gol de Ángel Correa aos 38 do segundo tempo foi a única finalização perigosa da Argentina contra o gol marroquino na partida. Antes disso, o jogo teve muitas faltas, um número alto de passes errados e pouca qualidade. Novamente, o técnico Lionel Scaloni viu algumas de suas apostas fracassarem em mais um sinal de que a seleção argentina está longe de encontrar o caminho para obter um sucesso na Copa América.

Se antes do jogo contra Marrocos Scaloni afirmou que tinha 80% da lista da Copa América definida, após a partida ele admitiu que esse percentual caiu para 70%. O treinador elogiou alguns atletas que ganharam poucos minutos nessa terça-feira, casos de Zaracho e Correa, que entraram bem, mas a verdade é que viu mais fracassos que sucessos em suas escolhas.

A Argentina teve contra Marrocos um ataque formado por Lautaro Martínez e Paulo Dybala, que não funcionou. Os dois atacantes foram também prejudicados por um meio-campo pouco criativo. Roberto Pereyra e Rodrigo De Paul não conseguiram envolver a marcação marroquina enquanto Leandro Paredes e Guido Rodríguez tiveram atuações burocráticas.

Se houve algo bom na Argentina esteve na defesa, que conseguiu sair de campo sem sofrer gol na estreia do goleiro Esteban Andrada. A dupla de zaga formada por Germán Pezzella e Walter Kannemann, ainda que tenha apelado em vários momentos para faltas mais duras, conseguiu mostrar segurança. O lateral Montiel, perdido no posicionamento diante da Venezuela, melhorou atuando com uma linha de quatro defensores. Até mesmo Marcos Acuña, improvisado na lateral esquerda, não comprometeu.

O bom desempenho defensivo contra Marrocos, porém, não foi suficiente para tornar positivo o saldo da Argentina nesses amistosos. Era esperado que o retorno de Lionel Messi fizesse a Albiceleste subir de patamar para ser colocada como uma das favoritas ao título da Copa América. Não foi o que aconteceu. A Argentina termina a data Fifa com mais dúvidas que tinha antes de enfrentar venezuelanos e marroquinos.