Família e envelhecimento são temas de novo romance

Família e envelhecimento são temas de novo romance

Escritor carioca Alex de Andrade lança "Para os que ficam", pela Confraria do Vento

Henrique Massaro

Alex de Andrade é autor de livros infantis, de contos e romances

publicidade

Com a missão de cuidar do pai idoso, uma mulher acaba revisitando dramas familiares do passado. Depois de dois livros infantis, é com esta premissa que o escritor carioca Alex de Andrade, que também já passou pelo conto, retorna ao romance. “Para os que ficam”, em pré-venda pela Confraria do Vento, traz uma narrativa em primeira pessoa, num exercício do autor de assumir uma voz feminina e construir o olhar de uma mulher sobre sua família.

Dando acesso ao interior da protagonista Ana, Andrade permite que os leitores vão conhecendo as memórias da personagem não só com o pai, mas com a mãe, o marido e os irmãos. Trata-se de um novo exercício do autor de mergulhar num drama familiar, tema que explorou em seu romance anterior , “Antes que Deus me esqueça”, através do olhar de um filho.

Confira a entrevista com autor:

CP: “Para os que ficam” é o seu retorno ao romance, depois de dois livros infantis. Você também passou pelo conto. Por que optou por transitar entre diferentes gêneros?

Andrade: Gosto dessa flexibilidade que a literatura nos oferece. Sempre gostei do conto, como aprecio a literatura infantil, mas o romance me atrai, é uma narrativa profunda, não que o conto não seja, que fique claro, mas a narrativa longa te leva a esse mergulho que investiga, que desorienta. Todos os gêneros são bem peculiares e deixo o momento me traduzir. Ultimamente tenho lido muitos romances e a literatura brasileira contemporânea tem muita coisa boa em circulação. Acho que sigo o meu coração. Mas eu amo os livros de contos!

CP: Em seu romance anterior, “Antes que Deus me esqueça”, você explora, através do olhar de um filho, a história de uma família marcada pelo olhar preconceituoso da sociedade. Agora, traz de novo um drama familiar. A família é tema central da sua literatura?

Alex de Andrade: E como não explorar esse universo tão vasto e complexo? Mesmo com tudo que já foi publicado com esse tema, mesmo com esse assunto sendo tão presente na literatura, dramaturgia, a família é um universo em constante evolução e ebulição, por isso se torna um tema tão explorado. Em meu último romance quis falar do preconceito, das minorias, da sociedade hipócrita e como não tocar na seara das famílias e seus dogmas, religiões e preceitos? É um tema que me instiga, de fato. Dessa vez, em “Para os que ficam”, é a família sobre o olhar feminino.

CP: Outra temática presente neste livro é o processo de envelhecimento. Por que decidiu visitar este tema?

Andrade: São dois assuntos presentes no nosso dia a dia, família e velhice. Vivemos um período em que as pessoas desapareciam instantaneamente das nossas vidas, a pandemia nos fez refletir, mexeu com as nossas estruturas, dissipou histórias, e o mais doloroso, atingiu basicamente as pessoas da terceira idade. Isso doeu muito. Quando se fala em velhice, há um estigma de que seja o fim, de que vai ser muito ruim. O fato de uma pessoa envelhecer, por si só, para as gerações posteriores, soa como negativo. E isso faz parte do nosso convívio. E eu gosto de trazer isso à tona, porque faz a literatura é o espelho das nossas ansiedades e expectativas e esperanças. 

CP: Você tem uma predileção pela primeira pessoa? Considera que este tipo de narrativa oferece um olhar mais completo para o interior das personagens?

Andrade: Nesses dois últimos livros foi importante trazer a primeira pessoa para compor a narrativa, me causou um conforto e uma intimidade, que acredito que quem vá ler o livro se sinta mais dentro da mente e mais íntimo da personagem. Mais nunca é intencional, eu tentei variadas formas de interagir com a construção da história e foi exatamente com a primeira pessoa que encontrei esse link. Eu gosto das linguagens, quando estou experimentando a história, vou brincando com as formas até atingir o eixo. 

CP: Como foi o desafio de assumir a voz de uma narradora feminina?

Andrade: Eu já tinha escrito alguns contos com a voz de uma narradora feminina. Explorar esse caminho é muito enriquecedor e desafiante. Principalmente porque ouço as vozes das mulheres que me rodeiam e me rodearam, a voz da minha mãe,  das minhas irmãs, essas mulheres que foram muito importantes para a construção da minha história como homem. Foi um desafio e espero que os leitores encontrem na narrativa essa voz feminina que por vezes eu ouvia no processo de criação. Durante a minha trajetória como leitor, na juventude, foram as mulheres que nortearam as minhas leituras, as personagens femininas, as heroínas, as Clarices, Lygias, Anas, Joanas, Paulas, Karlas, Simones, Marias.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895