500 Milhas de Indianápolis será realizada sem público pela primeira vez na história

500 Milhas de Indianápolis será realizada sem público pela primeira vez na história

Aumento da Covid-19 em Indiana provocou a decisão do gestor do oval, Roger Penske

Por
Correio do Povo e AE

Edição de 2019 teve lotação plena, com mais de 300 mil pessoas


publicidade

A 104ª edição das 500 milhas de Indianápolis, marcada para 23 de agosto, não terá a presença de público pela primeira vez na história. A decisão foi motivada por causa da pandemia do novo coronavírus. O anúncio foi feito, nesta terça-feira, por Roger Penske, dono do circuito Indianapolis Motor Speedway, que conta com 350 mil lugares.

A ideia do dono da maior equipe da categoria era permitir a entrada de 62,5 mil pessoas (25% da capacidade do circuito), com a ajuda de um protocolo de 88 páginas, no qual estavam determinados testes de temperatura nos portões de entrada, distribuição dos fãs nas arquibancadas para manter distâncias de segurança e o uso obrigatório de máscaras. Mas como os casos de covid-19 continuaram a aumentar constantemente no estado de Indiana e especificamente em Marion County, onde está localizada a pista, Penske decidiu mudar de plano. "Foi a decisão mais difícil que já tomei em minha vida. Compramos o Speedway há menos de um ano, um local de grande tradição e é importante para a nossa reputação fazer a coisa certa."

A atitude de Penske teve o auxílio das autoridades médicas de Indiana. "Precisamos ser seguros e inteligentes sobre isso. Obviamente, queremos participação total, mas não queremos comprometer a saúde e a segurança de nossos fãs e comunidade. Também não queremos comprometer a capacidade de manter uma corrida de sucesso", disse o ex-piloto, de 83 anos.


Por causa da pandemia do coronavírus, esta será a primeira vez, após 104 edições, que a corrida, prevista para 24 de maio, não será disputada no quinto mês do ano. Uma das atrações da prova deverá ser o espanhol Fernando Alonso, que assinou contrato recentemente com a equipe Renault, de Fórmula 1. O bicampeão da principal categoria do automobilismo busca conquistar a tríplice coroa, que consiste reunir vencer o GP de Mônaco, as 24 horas de Le Mans e a corrida de Indianápolis. Alonso precisa ganhar a prova dos Estados Unidos. O único piloto a conseguir este feito foi o britânico Graham Hill, em 1972.