Alpine vence GP maluco da Hungria com Ocon e genialidade de Alonso, Hamilton assume liderança da F1

Alpine vence GP maluco da Hungria com Ocon e genialidade de Alonso, Hamilton assume liderança da F1

Francês herdou liderança com erros de Mercedes e Red Bull e contou com defesa do espanhol contra Lewis para ser o 1º

Bernardo Bercht

Time francês voltou às vitórias com sorte e execução perfeita

publicidade

Numa corrida totalmente maluca, a Alpine voltou às vitórias usando seus dois pilotos para ganhar o GP da Hungria de Fórmula 1, neste domingo. Esteban Ocon herdou a ponta com as trapalhadas de Mercedes e Red Bull e Fernando Alonso segurou Lewis Hamilton de forma genial no fim para garantir que o companheiro tivesse distância para não ser atacado pela Mercedes. Sebastian Vettel cruzou em segundo, de certa forma frustrante pois teve carro, tática e pneu para passar com a Aston Martin; enquanto Hamilton não foi menos brilhante ao se recuperar de último para terceiro e assumir a liderança do campeonato.

Após a corrida, Vettel foi desclassificado por não ter combustível suficiente para testagem regulamentar. Com isso, Hamilton subiu para segundo e Sainz herdou o pódio para a Ferrari em terceiro. Alonso foi para quarto, Gasly quinto, Tsudona sexto, Latifi sétimo, Russel oitavo, Verstappen nono e Kimi Raikkonen herdou um valoroso pontinho para a Alfa Romeo.

E se a Red Bull já estava com os nervos à flor da pele, uma barbeiragem de Valtteri Bottas esculhambou de vez o psicológico da turma energética. Na largada sob pista úmida, o finlandês arrancou mal, perdeu a freada e bateu em Lando Norris. A McLaren foi empurrada contra a Red Bull e Max Verstappen e fez um strike com ao menos cinco carros. Sérgio Perez ficou pelo caminho, Pierre Gasly foi prejudicado e Charles Leclerc também teve a prova encerrada pela confusão. Fernando Alonso teve que escapar de duas pancadas com a Alpine.

Quem lucrou para caramba, então, foi Esteban Ocon, ficando em segundo com a outra Alpine, seguido do terceiro, Sebastian Vettel com a Aston Martin. Nicholas Latifi conseguiu pular lá do fundão para sexto, com George Russell em oitavo, um baita lucro para Williams. E ainda tinha Yuki Tsunoda em quinto e Mick Schumacher em décimo. Uma embaralhada de cartas impressionante por apenas um erro de freada. E claro, felizão na ponta, Lewis Hamilton de cara com ar limpo e a liderança do campeonato.

Veio a relargada depois de bandeira vermelha e a pista secou. Todo mundo foi para os boxes e a Mercedes cometeu um baita erro de avaliação. Apenas Hamilton disparou do grid, com pneus intermediários. Todo mundo de seco tirou a diferença para ele, que voltou em último após sua troca. Com isso, Esteban Ocon assumiu a liderança de forma bizarra para a Alpine.

Dali, o francês comandaria a prova na sua primeira metade. A partir da volta 20, Vettel começou a atacar, mas sem conseguiu posição para passar. A tática de pits faria a diferença entre os dois. Para vantagem deles, Latifi era a rolha do pelotão, segurando todo mundo enquanto os líderes abriam vantagem. Carlos Sainz era o único dos times grandes que mantinha eles na alça de mira com a Ferrari.

No meio do pelotão, Verstappen fez uma ultrapassagem na raça e polêmica sobre Mick Schumacher. Chegou a sair da pista, devolveu o lugar de forma esquisita e passou na curva seguinte, batendo roda com o alemão. Sem conseguir passar os outros, Hamilton fez um undercut. E deu certo. Quando Verstappen e Daniel Ricciardo pararam, a Mercedes passou os dois, por fora, na curva 1. Com isso, se colocou em posição até de atacar uma vaga no pódio.

Lá na frente, em terceiro, Sainz descontava muita diferença para Ocon. Só que a Ferrari mastiga pneus e, mais para o fim da prova o espanhol não conseguiria atacar.

A Aston Martin tentou o undercut, parou Vettel antes, mas errou a troca e Ocon ainda retornou em primeiro. O mais rápida da pista a essa altura era Fernando Alonso, com pneus mais novos que a galera. Descontava até de Hamilton.

A Mercedes, então, trouxe o britânico para os boxes e colocou pneus médios. Ele saiu numa missão de caçar um pódio improvável. Enquanto isso, Alonso atacava Sainz e chegava até nos líderes.

Chegou a dar pinta que Hamilton buscaria a vitória, mas a Alpine tinha dois pilotos para ganhar uma corrida. E um deles é o gênio chamado Fernando Alonso. Talvez só o espanhol conseguisse segurar por oito voltas um carro tão rápido quanto a Mercedes, guiada pela lenda Lewis Hamilton. E o espanhol segurou, fez linhas diferentes, bloqueou no meio da curva, deu a trajetória externa e espalhou. Sempre leal, sempre no limite extremo. Com isso, deu a diferença exata que Ocon precisava para seguir à bandeirada.

A seis do fim, Hamilton usou todo seu talento para colocar por fora, a Alpine ainda tentou o troco, mas o heptacampeão foi embora. Ainda deu tempo de passar Sainz com os pneus combalidos e confirmar o pódio na bandeirada. Alonso tentou o ataque final, mas a Ferrari cruzou em quarto. O sexto foi Pierre Gasly, com Yuki Tsunoda em sétimo para duplos pontos da AlphaTauri.

E sabe quem mais pontuou? A Williams! Só que Nicholas Latifi chegou na frente de George Russell, com a dupla formando em oitavo e nono e despachando Alfa Romeo e Haas no campeonato de construtores. Max Verstappen conseguiu apenas o último pontinho com sua remendada Red Bull.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895