capa

Bottas desbanca Ferrari e crava pole no acidentado Azerbaijão

Charles Leclerc e Robert Kubica acertaram muro do castelo durante o treino

Por
Bernardo Bercht

Finlandês desbancou os favoritos e tenta pressionar Hamilton

publicidade

Valtteri Bottas voltou a contrariar as apostas e cravou a pole-position para o GP do Azerbaijão, neste sábado. A Ferrari novamente se complicou e entregou a primeira fila de bandeja para a Mercedes, com Lewis Hamilton em segundo. Sebastian Vettel foi o terceiro, sem confiança para acelerar no trecho do castelo, depois de quase bater e de ver o companheiro, Charles Leclerc, acertar o muro no local.

O Q1 teve na degola de luxo a presença da Renault de Nico Hulkenberg. O carro carregado na aerodinâmica e sem toda aquela potência. E quase que os franceses ficaram com dois fora da festa. Daniel Ricciardo achou um fiapinho de tempo para empurrar Lance Stroll, que tinha toda a usina de força da Mercedes em sua Racing Point.

O australiano ainda arrumou os segundos finais com treino valendo para encaixar o fim da sua volta. Na mesma hora, Robert Kubica beliscou o muro na curva do castelo e acabou pregando a Williams na barreira oposta, causando bandeira vermelha e encerrando as atividades. Um fim de semana tenebroso para o time, numa das pistas que sempre ajudou a obter bons resultados. Primeiro, perdeu um carro para o bueiro com George Russell. Agora, viu Kubica entrar pelo cano e mais uma conta de reparo alta.

E ia faltar peça de carro e muro até o fim da sessão. Veio o Q2 e a Ferrari estava focada em estragar suas chances de uma vitória em pista que favorece seu carro. Na sua primeira tentativa, Sebastian Vettel traseirou na curva do castelo e escapou do muro por centímetros. Charles Leclerc até registrou um tempo razoável, mas na volta seguinte errou a freada e enfiou o carro na mesma mureta que Kubica. Acabou com a frente da Ferrari e com ótimas chances de pole-position.

Nova bandeira vermelha e o guindaste empilhando espuma de softwall fazendo sucesso na TV. A questão agora era se a volta de Leclerc seria suficiente para largar no top ten e se Vettel teria tempo para encaixar uma volta que colocasse a outra Ferrari no Q3. Ao menos isso deu certo para os italianos. Leclerc garantiu um lugar e Vettel buscou uma volta de segurança para avançar.

Destaque para as duas Alfa Romeo no Q3, com Antonio Giovinazzi figurando pela primeira vez no top ten. As duas principais vítimas da sessão foram Carlos Sainz, o primeiro degolado com a McLaren, enquanto Lando Norris avançou; e Kevin Magnussen em décimo quarto com a Haas. Primeira vez na temporada em que o time norte-americano não figurou no Q3. Daniel Ricciardo fez o que podia com o paraquedas aberto na Renault e foi décimo segundo.

Na hora da verdade, conseguiria Vettel encaixar uma volta de pole, preocupado em não bater no muro do castelo? O alemão até caprichou, mas quem surpreendeu e botou os outros no bolso foi Valtteri Bottas. Parecia que o finlandês ia dar vácuo para Hamilton na sua volta final, mas não. Ele fez a volta quase perfeita e cravou a melhor marca. Mas o importante é que a primeira fila ficou prateada, quando deveria ser vermelha.

Vettel foi apenas terceiro, perdendo no segundo setor, exatamente o da subida do castelo, que tirou a segurança da Scuderia. O quarto foi Max Verstappen, com a Red Bull precisando de duas voltas para alcançar o melhor momento do pneu.

Na turma do meio do pelotão, Sérgio Perez em quinto foi um baita destaque usando todo o potencial do motor Mercedes de sua Racing Point. Atrás dele, Daniil Kvyat com uma inesperada Toro Rosso, à frente de Lando Norris com a McLaren. Antonio Giovinazzi aproveitou o vácuo da Ferrari de Vettel para ser oitavo e Kimi Raikkonen foi o nono. Leclerc, o décimo com o ego e o carro enterrados no muro.