Brasileiros confirmam presença e Alonso vive drama fora dos 30 garantidos na Indy 500
capa

Brasileiros confirmam presença e Alonso vive drama fora dos 30 garantidos na Indy 500

Espanhol da McLaren terá uma chance para levar uma das três vagas restantes, no domingo

Por
Bernardo Bercht

Bicampeão de F1 tentou de tudo, mas ficou fora do top 30 em Indianápolis

publicidade

As 500 Milhas de Indianápolis mostraram neste sábado que não basta chegar com talento e acelerar para estar na corrida mais tradicional do mundo. Fernando Alonso e a poderosa McLaren tentaram de tudo, foram seis vezes para a pista e ficaram de fora dos 30 melhores com vaga garantida na prova do dia 26. O mais rápido de todos foi Spencer Pigot, com a especialista em ovais Carpenter. Para o Brasil, saldo positivo, com os três representantes confirmados no grid.

J. R. Hildebrand, da pequena Dreyer & Reinbold foi o algoz do bicampeão de Fórmula 1, já nos minutos finais da sessão. A frustração de Alonso começou na primeira tentativa, com um pneu furado que estragou a última de suas quatro voltas. A velocidade da McLaren, porém, já não era lá essas coisas.

Na quinta vez que foi encarar a Brickyard, finalmente a McLaren entrou no Top 30. Alonso fez a vigésima nona marca e parecia um pouco mais azul o céu do asturiano. Durou pouco a felicidade. Primeiro por conta do inesperado Ben Hanley. O britânico, da nanica Dragon Racing, inventou uma volta boa o suficiente para o meio do pelotão e devolveu Alonso à temerária bolha. "Por que ainda estamos tentando?", bradou um frustrado espanhol no rádio...

O fim da picada veio com J. R. Hildebrand, que aproveitou um momento de pouco vento e nuvens no céu. Com a pista esfriando, registrou um temporal de 228 milhas por hora e tirou a McLaren do top 30. Agora, Alonso terá apenas uma chance de superar James Hinchcliffe, Pato O'Ward, Sage Karam, Kyle Kaiser e Max Chilton por três vagas na última fila da Indy 500.

A pessoa mais feliz de todo o grid, contudo, era a britânica Pippa Mann. Ela optou por fazer apenas uma volta, que foi escorregando de pouco em pouco, mas suficiente para segurar o trigésimo lugar. "Por um momento, achei que tinha sido a decisão errada ficar na fila lenta. Mas a gente conseguiu, voltamos e estamos dentro", celebrou, entre lágrimas.

Hélio Castroneves tentou duas vezes com a Penske entrar nos nove mais rápidos que decidirão a pole. Ficou em décimo segundo, mas firme na luta por sua quarta vitória. Tony Kanaan fez o que tinha que fazer, esperava algo mais, mas partirá em décimo sexto. O dia foi mais dramático para Matheus Leist, mas o gaúcho de 20 anos foi à luta numa segunda tentativa para confirmar o posto 24. "O carro estava muito traseiro na primeira parte, usei toda a regulagem interna que temos para distribuir peso, mas não foi suficiente", comentou. Para evitar maiores sustos, contudo, ele foi à luta e classificou para sua segunda 500 Milhas.

Mais drama teve o canadense James Hinchcliffe. O piloto da Schmidt Peterson já quase perdeu a vida no oval. Se recuperou para fazer pole, mas ficou de fora da corrida do ano passado. Neste sábado, bateu forte em sua primeira tentativa e não conseguiu entrar no grid com o carro reserva. Vai lutar com Alonso e cia por aquelas três vaguinhas finais.