Engenheiro indica que zebras de Silverstone influenciaram no estouro de pneus Pirelli
capa

Engenheiro indica que zebras de Silverstone influenciaram no estouro de pneus Pirelli

Por

publicidade



Testemunhando a vitória do seu xodó Lewis Hamilton escapar num estouro de pneu, a imprensa inglesa voltou à carga forte na condenação dos pneus Pirelli, com a equipe Red Bull aproveitando para reforçar os pedidos de mudança na borracha italiana. Claro que o estou dos cinco pneus registrados durante o fim de semana foi grave, mas análise do engenheiro Gary Anderson indicou após a corrida que as falhas podem ter sido originadas nas zebras das curvas Beckets e Chapel.

Anderson mostrou a linha emborrachada que os pilotos usaram durante a prova, além das zebras, cortando sobre a área de concreto verde e retornado novamente sobre o obstáculo em busca das melhores voltas. Depois disso, ele apontou em vídeo para a "ponta" afiada na área interna das zebras de concreto, aliadas a uma depressão causada pela passagem constante  de carros ao longo dos anos. Ali poderá estar o mistério para falhas dramáticas que nunca foram repetidas nem nesta temporada nem nas corridas anteriores com a Pirelli.

O presidente do Automóvel Clube Britânico, ex-piloto Derek Warwick, deu entrevista negando que as zebras sejam culpadas e salientando que milhares de carros passaram por ali sem problemas desde a última reforma em 2009. Acontece que, nestes anos, o terreno pode ter cedido e aumentado a área cortante da zebra. Além disso, as paredes mais macias do pneu Pirelli deste ano podem ter dobrado em ângulos indesejados naquele trecho, acentuando o problema.

Caso os estouros tivessem ocorrido por todas as partes da pista, seria mais claro dizer que a falha está apenas no projeto dos compostos deste ano, que de alguma forma esquentaram de maneira errada e provocaram o dechapamento total. O fato de os pneus sempre se desfazerem na mesma região do circuito, contudo, apontam para um gatilho pontual. Imagem em câmera lenta do pneu de Hamilton se desfazendo, por sinal, indicam um corte, já que primeiro apareceram trechos de metal na parede do pneu, ele girou mais alguns instantes no retão e, então, desmanchou-se da parte interna para a externa.

Assista ao vídeo com Gary Anderson: