Hamilton passa todo mundo na pista para vencer o GP de Portugal de Fórmula 1

Hamilton passa todo mundo na pista para vencer o GP de Portugal de Fórmula 1

Portimão teve prova cheia de ultrapassagens, com Verstappen combativo e bela recuperação de Alonso

Bernardo Bercht

Britânico levou a melhor, mas segue duelo pelo título

publicidade

Lewis Hamilton passou todo mundo até liderar e vencer de forma soberana, neste domingo, o GP de Portugal. Já que a Mercedes tinha um pouco de vantagem, ele até viu Verstappen passar ligeiramente, mas exerceu o melhor ritmo para retomar a ponta, superar também Bottas e faturar o primeiro lugar com alguma folga. A prova movimentada em Portimão, teve o holandês em segundo ainda lutando pelo campeonato com a Red Bull e Bottas evoluindo em terceiro, mas ainda sem conseguir brigar pela vitória.

A largada teve os três primeiros mantendo posições, enquanto Carlos Sainz batia a carteira de Sérgio Perez. Lando Norris, por sua vez, brigou por quatro curvas até superar Esteban Ocon.

No fim da volta 1, porém, Kimi Raikkonen julgou errado e encheu a traseira do companheiro de Alfa Romeo, Antonio Giovinazzi. Perdeu o bico e ficou na caixa de brita. Com muitos detritos na reta, o safety car foi acionado.

Veio a relargada e Hamilton deu aquela bobeada. Verstappen aproveitou, embutiu no vácuo e passou por fora, em bela manobra. Só que o piloto da Mercedes não se deu por vencido e seguiu no cangote da Red Bull. Na volta 12, o holandês deu uma balançada na curva antes da reta. Foi a deixa para Hamilton colocar de lado, abrir asa e passar. Verstappen ainda tentou dar o troco na curva seguinte, mas ficou com a linha externa, resignado em terceiro.

Só que o heptacampeão não estava satisfeito. Volta a volta, começou a encostar em Bottas. O finlandês claramente não tinha ação para abrir uma folguinha e esperava os pit-stops para tentar alguma coisa. Só que Hamilton não esperou. Acionou a asa móvel, botou por fora e, no limite da freada, conseguiu contornar o colega para assumir a liderança. Cereja no bolo, em seguida, reclamou do pneu gasto...

Com Hamilton na frente, Verstappen acordou para cima de Bottas e começou a pressionar. Seria na tática dos pits, ou na pista também? No pelotão, Carlos Sainz deu o sinal para o começo das trocas de quem tinha pneu macio. A turma com médios iria bem mais longe. Com isso, Ricciardo e Alonso apareceriam no top 6.

Tendo que recuperar terreno, Ocon foi pressionar Gasly. A dupla duelou por cinco voltas, até o francês passar a 11º com a Alpine, seguindo as Ferrari. Depois dos pits, Vettel que tinha circulado em décimo, escorregou para 13º.

Na volta 36, a Red Bull tentou o undercut, antecipando a parada. Bottas foi o escolhido para marcar a tática e ainda voltou na frente. Só que Max tinha os pneus aquecidos e atacou com tudo. Foram duas curvas fazendo a finta, Bottas distracionou e, enfim, tomou o passão por dentro, no miolo. Hamilto tinha vantagem e parou tranquilo para voltar na liderança. Agora, contudo, o holandês estava no encalço.

A turma toda parou para trocar, com Ricciardo fechando o ciclo, com exceção de Perez. A tática até funcionou, com Alonso ganhando duas posições, superando Vettel em 11º; Ricciardo retornando nos pontos, em décimo. A Alpine estava competitiva e Ocon escalava a turma com pneus médios. Na volta 44, superou Carlos Sainz no limite da freada e assumiu o sétimo lugar.

Perez liderou por várias voltas, mas Hamilton estava num dia impaciente e nem quis esperar os pits. Com pneus novos, passou de passagem e nem deixou a Red Bull atrapalhar seu ritmo.

A essas alturas, de pneus duros Alonso era o mais combativo da prova. Primeiro, superou Pierre Gasly com certo conforto. Depois, foi para o ataque ao seu ex-time. Mesmo com pneus duas voltas mais novos, Ricciardo não conseguiu segurar e tomou por fora o passão da Alpine. Com isso, os franceses tinham Ocon em sétimo e o espanhol em nono, somando ótimos pontos. O bicampeão ainda não estava satisfeito e promoveu sua vendetta contra a Ferrari, passando Sainz com alguma facilidade para ser oitavo.

Lá na frente, Hamilton liderava tranquilo, enquanto Perez tentava descontar a diferença para Bottas. Mas o finlandês ainda tinha algumas garrafas vazias para vender e segurar o terceiro posto. Teve até o luxo de parar no box para buscar a volta mais rápida de pneus novos, tirando do próprio Perez.

O coitado do Sainz, com os pneus no chinelo, estava prestes a sair dos pontos. Perdeu para Ricciardo a duas voltas no fim e ia ter que se virar para segurar o décimo posto contra Gasly. E não rolou, na volta final, a AlphaTauri surrupiou o pontinho.

A prova ainda teve uma emoção final, com Bottas e Verstappen parando para colocarem pneus novos e tentarem a volta mais rápida. O holandês conseguiria na última passagem levar o ponto extra, mas teve a volta deletada por exceder os limites da pista. Com isso, Bottas faturou. Hamilton, lá na frente, cruzou soberano para vencer sua segunda, num dia que passou, na pista, todos os rivais do pódio. Max foi segundo, com Bottas em terceiro, seguido de Perez, pelo menos somando seus pontinhos em quarto.

O quinto foi o solitário Norris, que brigou muito no começo e foi quinto com folga no fim. O sexto foi Charles Leclerc, caprichando na consistência, mas sem ritmo para mais com a Ferrari. Talvez o time mais satisfeito do dia, a Alpine teve Ocon em sétimo segurando Alonso no finalzinho, com o espanhol cruzando a menos de um segundo em oitavo. O nono foi Ricciardo, depois de remar muito num dia abaixo da média, com Gasly em décimo.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895