Hamilton pressiona, mas Verstappen crava pole para GP da Holanda

Hamilton pressiona, mas Verstappen crava pole para GP da Holanda

Britânico tirou tudo que tinha da Mercedes, mas faltaram 38 milésimos para bater o rival

Bernardo Bercht

Duelo pelo título promete em Zandvoort

publicidade

Max Verstappen fez a festa holandesa no retorno a Zandvoort e cravou a pole-position neste sábado. Numa pista em que a Red Bull mostrou superioridade com o dono da casa, Lewis Hamilton tirou tudo que a Mercedes tinha para entrar na briga e foi o segundo por apenas 38 milésimos. Valtteri Bottas foi o terceiro, já 338 milésimos atrás dos ponteiros.

Fechando a segunda fila veio o excelente Pierre Gasly com a AlphaTauri se dando bem na sequência de curvas do miolo. Foi um belo esforço do francês para empurrar as Ferrari para a terceira fila, com Charles Leclerc à frente de Carlos Sainz.

Outro destaque da classificação foi Antonio Giovinazzi. Lutando com unhas e dentes para se manter na F1, o italiano cravou o sétimo tempo. Ele aproveitou um Q3 muito discreto das Alpine, com Esteban Ocon em oitavo e Fernando Alonso em nono. Daniel Ricciardo completou o top ten com a McLaren.

Além das armadilhas normais de um circuito clássico, cheio de curvas cegas, Zandvoort aprontou para a turma com a evolução da pista no Q1. E quem marchou de maneira fragorosa foi Sérgio Perez. O mexicano fez uma fiasqueira ao ficar em 16º a bordo da poderosa Red Bull.

Quem também não curtiu perder a hora mais rápida do asfalto foi Sebastian Vettel. Ele também ficou fora da festa, em 17º, e não conseguiu abrir sua última volta rápida, bloqueado por duas Haas, que aqueciam pneus. Sem surpresas, as duas Haas formaram a fila final. Robert Kubica, substituindo Kimi Raikkonen com Covid-19, fez um trabalho competente, em 18º, mas sem conseguir avançar para o Q2 com a Alfa Romeo.

Seu companheiro é que foi impressionante, girando o quarto tempo, aproveitando a pista bem mais rápida no fim da sessão. Charles Leclerc e Carlos Sainz também subiram no final e formaram uma dobradinha Ferrari no topo da tabela de tempos.

Veio o Q2 e Verstappen fez questão de estabelecer seu favoritismo com uma volta em 1min09s0. Leclerc foi quem chegou mais perto, mas ainda 366 milésimos pior que o dono da casa. As Mercedes, nem perto, já mais de meio segundo pior.

Mas a verdade é que as duas Williams impediram a galera de fazer uma segunda tentativa. Primeiro, George Russell exagerou na entrada de curva do terceiro setor, rodou e bateu de leve no muro. Michael Masi exagerou e mandou bandeira vermelha, mesmo com a Williams saindo sozinha da área de escape.

A turma voltou à pista com três minutos e meio para o fim da sessão, mas ninguém abriu volta. Nicholas Latifi pegou grama com as duas rodas externas, num ponto de alta velocidade, rodou e bateu forte de traseira. Destruiu sua Williams e deu fim ao treino. Isso confirmou Russell em 11º, à frente de Lance Stroll e de um super prejudicado Lando Norris, em 13º com a McLaren. Latifi e Yuki Tsunoda completaram os 15 primeiros.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895