Hamilton sobra de novo e crava pole para o GP da Inglaterra

Hamilton sobra de novo e crava pole para o GP da Inglaterra

Bottas tentou, mas ficou longe, Verstappen e Leclerc formam a segunda fila

Bernardo Bercht

Britânico chegou à pole 91, com recorde de pista

publicidade

Lewis Hamilton e a Mercedes voltaram a patrolar a concorrência e o britânico mostrou quem manda na sua casa, Silverstone. Recorde de pista, com 1min24s3. Sua 91ª pole-position com três décimos de diferença para o colega Valtteri Bottas e com o terceiro colocado, Max Verstappen, um segundo atrás com a Red Bull.

Quem mandou bem na sessão, dadas as limitações de potência da Ferrari, foi Charles Leclerc, que arrancou um quarto lugar no grid. Lando Norris também achou uma boa volta para a McLaren e foi quinto. Um pouco desapontador foi Lance Stroll em sexto, após a Racing Point até liderar sessões. O sétimo foi Carlos Sainz, seguido de Esteban Ocon e do apagado Sebastian Vettel.

O treino

O Q1 dessa vez foi sem maiores surpresas, no máximo com a McLaren sofrendo um pouco ao ver seus dois pilotos na berlinda durante os momentos finais. Dançaram duas Haas, das Alfa Romeo e a Williams de Nicholas Latifi.

Kevin Magnussen até chegou perto de passar da degola, com 1min27s158 em 16º. Isso antes que George Russell cravasse a 13ª marca e despachasse o resto da turma do fundão. Ficou a polêmica pelo inglês marcar a voltaça exatamente no momento em que seu companheiro rodou, gerando uma bandeira amarela.

Kimi Raikkonen até vinha fazendo uma volta competitiva, mas a rodada de Latifi no fim da sessão o obrigou a tirar o pé. Com isso, perdeu até para o companheiro Antonio Giovinazzi na penúltima fila. Romain Grosjean vai formar a linha final com o canadense trapalhão da Williams.

A Mercedes até levou um sustinho no Q2, quando Hamilton pegou sujeira e acabou fazendo um 360º na pista, mas sem danos ao carro. Depois, mostrou que a diferença segue monstruosa em volta lançada para a concorrência. Sobrou e de pneus médios.

Quem se complicou foi a Racing Point, ao arriscar de pneus médios com Lance Stroll. O canadense até passou ao Q3, mas na bacia das almas. Pierre Gasly fez o mesmo tempo que ele, mas depois e classificou em 11º com a AlphaTauri. O primeiro degolado.

A grande decepção foi novamente Alex Albon, atrás de Gasly e apenas em 12º com a Red Bull. Ainda que estreando com o carro, Nico Hulkenberg foi o outro desapontamento. Mesmo usando pneus macios, bem mais rápidos, ele não foi além do 13º lugar de Racing Point no seu retorno à F1. Também sobraram Daniil Kvyat e George Russell.

Veio o Q3 e, na primeira tentativa, Hamilton já estabeleceu superioridade. Mas Bottas seguia perto e podia aprontar alguma coisa na tentativa final. A essas alturas, McLaren e Renault nem apareciam na cronometragem.

Então todos colocaram as cartas na mesa e o dono da festa mandou ver. Hamilton sobrou muito com a Mercedes e fez a pole. Bottas baixou seu tempo, mas muito menos que o necessário.

Verstappen encaixou sua volta para fazer o possível ao abrir a segunda fila com a Red Bull e Leclerc foi bem com a Ferrari. Vettel, por sua vez, forçou demais, bateu o carro na zebra e ficou como último do Q3, bem abaixo do esperado. Lance Stroll foi outro que não melhorou e ficou mais longe daquele sonhado pódio de Racing Point.


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895