McLaren prepara retorno para motores Mercedes em 2021
capa

McLaren prepara retorno para motores Mercedes em 2021

Parceria depende de autorização da FIA por restrição no regulamento

Por
Correio do Povo

Time britânico trouxe Mercedes de volta às vitórias em 1997

publicidade

A McLaren está pronta para voltar a ter "alma prateada". Negociações de bastidores, citadas pelos jornalistas britânicos Jon Noble e Joe Saward, apontam para um acerto do time britânci para contar com motores Mercedes a partir de 2021, quando acaba sua atual parceria com a Renault.

Recentes "dissabores" com os franceses por conta de quebras e falhas eletrônicas teriam ajudado a bater o martelo. A avaliação interna do time, contudo, é de que com seu alto investimento, a Renault terá vantagem na performance pela integração do projeto ao seu carro. Como é uma concorrente direta, Zak Brown preferiu buscar a Mercedes, pela melhor performance comprovada dos últimos anos.

Vale lembrar que foi a McLaren, sob a batuta de Ron Dennis, que trouxe a estrela de prata de volta às vitórias na Fórmula 1. O projeto, que começou com muitas dificuldades em 1995, venceu sua primeira corrida em 1997 com David Coulthard e garantiu os títulos mundiais com Mika Hakkinen (1998-1999) e Lewis Hamilton (2008).

Depois, os negócios azedaram com o surgimento da equipe própria da Mercedes e o tio Ron decidiu apostar na Honda. Já sabemos como foi essa história indigesta, que culminou até com a derrubada dele do comando do time.

A grande dificuldade para o contrato ser firmado é com o regulamento da FIA. Teoricamente, a Mercedes só pode ter três fornecimentos de motor na categoria. Mas há interpretação que o time principal, do construtor, não conta como um dos clientes, o que liberaria espaço para a McLaren. De outra forma, a entidade máxima terá que conceder uma licença especial.

A Renault, por sua vez, não está tão chateada de ser rechaçada pelo segundo grande time seguido. Depois do pé na bunda da Red Bull, quer focar no seu projeto como um todo e, não ter um cliente reclamão no ouvido acaba sendo vantagem.