Pagenaud faz duelo histórico com Rossi e vence as 500 Milhas de Indianápolis
capa

Pagenaud faz duelo histórico com Rossi e vence as 500 Milhas de Indianápolis

Piloto da Penske fez corrida magistral e atacou no fim para conquistar a maior vitória da carreira

Por
Bernardo Bercht, direto de Indianápolis

Pagenaud conquistou a vitória na 103ª 500 Milhas de Indianápolis

publicidade

A chuva não ousou atrapalhar a vitória magistral do francês Simon Pagenaud nas 500 Milhas de Indianápolis, em 2019. O piloto da Penske superou um duelo histórico com o norte-americano Alex Rossi, campeão da prova em 2016, e cruzou a quadriculada preto e branca para alcançar a maior conquista da sua carreira.

O dia foi ameaçado por chuva durante todo o tempo, mas os céus esperaram, propiciando um belo espetáculo para o público que lotou a famosa Brickyard. Pagenaud arrancou com a liderança logo de início, segurou uma pressão inicial do colega Will Power e seguiu para liderar 116 voltas.

Muito rápido, ele parecia flertar com o perigo ao encurtar seu número de voltas entre pit-stops. Todo mundo parecia apostar em esticar cada janela de paradas para evitar problemas numa paralisação sob chuva. Só que a água não veio e Pagenaud manteve sua vantagem.

A 20 voltas do fim, um acidente envolvendo cinco carros botaria fogo na fase final da prova. Sebastien Bourdais fechou a porta de Graham Rahal, os dois bateram e levaram por diante Felix Rosenqvist, Zack Veach e Charlie Kimball.

Veio a relargada e Alex Rossi tomou a ponta com coragem a três voltas do fim. De quinto, Takuma Sato passou dois e apareceu babando atrás dos líderes. Virou guerra tripla. Mas Pagenaud foi para cima de novo e retomou a liderança na penúltima volta. Parecia que Rossi daria o bote na linha de chegada, mas o francês balançou na frente, quebrou o vácuo do rival e ergueu o braço para celebrar sua vitória triunfal.

Entre os brasileiros, os dois da Foyt se recuperaram de um erro de cálculo da equipe para terminarem combativos. Ambos tiveram pane seca durante uma bandeira amarela, mas depois do acidente da reta final, escalaram o pelotão. Tony Kanaan conseguiu subir para nono, passando cinco carros e Matheus Leist fechou em décimo quinto, melhorando nove posições em relação ao seu posto de largada. Hélio Castroneves foi prejudicado por uma punição de parada nos boxes e ficou em décimo oitavo.