Papéis invertidos: McLaren lidera com Norris e Mercedes tem problemas
capa

Papéis invertidos: McLaren lidera com Norris e Mercedes tem problemas

Red Bull foi a melhor do dia, com grande número de voltas e segundo tempo usando pneus mais duros

Lando Norris fez melhor volta, mas também parou com falha hidráulica na pista

publicidade

McLaren lidera em dia de problemas para a Mercedes, nesta terça-feira. Não, a gente não inverteu as equipes na manchete sobre os testes em Barcelona. Lando Norris cravou o melhor tempo com 1min17s709, mas ainda longe das projeções de volta em 1min16s e atrás também da melhor marca da Renault na semana passada. Então, contexto, por favor. A Mercedes, por sua vez, trouxe toda uma frente nova para seu carro sem consertar a instabilidades. Além disso, perdeu a maior parte da tarde com problemas de pressão do óleo.

Também é preciso dizer que Norris, apesar da boa volta, foi apenas um fiapo melhor que Pierre Gasly de Red Bull, que usou pneus um composto mais duros na sua melhor passagem. Além disso, Norris parou na pista duas vezes, a primeira com problemas hidráulicos, a outra, ainda sem explicação. Talvez tenha sido a presença de Fernando Alonso e sua amiga zica nos boxes da McLaren...

A conclusão é que, bem mesmo, virou a Red Bull, que mostra confiança agora na sua aposta com o motor Honda e virou 136 voltas para completa um dia ideal de testes. O terceiro lugar foi Lance Stroll, mas o piloto da Racing Point usou os pneus mais molengas do dia para se sobrepor a Sebastian Vettel de Ferrari. Por sinal, Alonso deixou a zica solta para passear em Barcelona e ela embarcou na Scuderia com Charles Leclerc, que perdeu quase todo o seu turno de teste com problemas, fechando apenas 29 voltas contra 81 de Vettel.

No lado italiano da força, a Alfa Romeo segue consistente e Antonio Giovinazzi anotou  o quinto tempo após 99 passagens. O dia poderia ser de alguns sorrisos a mais para a Williams, com George Russell em nono já na casa de 1min19s, mas este foi outro a usar a borracha estilo chiclete da Pirelli. Os ingleses ainda com muito asfalto a percorrer para chegarem a algum nível competitivo.

Só depois dele é que vieram as Mercedes, contudo. Lewis Hamilton usou a nova parte dianteira, com novas aletas e formatações de nariz. Depois, voltou com o bico velho e em momento algum calçaram pneus mais moles. O comportamento arredio nas curvas de média velocidade, entretanto, manteve-se e preocupa os prateados na briga com a Ferrari.