Perez vence prova espetacular em Baku, após erro de Hamilton e batida de Verstappen

Perez vence prova espetacular em Baku, após erro de Hamilton e batida de Verstappen

Furos de pneu e relargada decidiram batalhas imprevisíveis na corrida de rua mais rápida do mundo

Bernardo Bercht

Mexicano levantou a galera com vitória inesperada

publicidade

Arriba muchachos! Sérgio Perez foi impecável, contou com o azar de Max Verstappen, com o erro de  Lewis Hamilton e venceu a corrida maluca do Azerbaijão, neste domingo. Segunda da carreira, primeira da Red Bull, num dia de festa para todo mundo, menos para os dois líderes do campeonato. Sebastian Vettel foi a estrela, com tática perfeita e final incontestável para ser segundo, enquanto Pierre Gasly faturou o pódio com a AlphaTauri passando Charles Leclerc em um grande duelo nas voltas finais.

Tudo parecia muito normal no começo. Hamilton se livrou de Leclerc com facilidade no retão, Verstappen demorou um pouco mais, mas depois resolveu o problema. A Ferrari claramente mais lenta em velocidade final. Nos primeiros pits, contudo, as coisas começaram a se misturar.

A Red Bull fez o undercut com os dois carros e a Mercedes fez seu primeiro erro. Hamilton  teve um pit-stop lento e acabou perdendo também para Perez, voltando logo atrás. A partir daí, os energéticos tinham vantagem de performance, mas na marra o heptacampeão mantinha o mexicano na alça de mira. No meio do pelotão, Fernando Alonso tinha parado muito cedo e via vários carros passarem com bem mais ação. Não parecia um bom dia para a Alpine, que ainda viu Esteban Ocon abandonar.

A ideia era todo mundo seguir até o final com os pneus duros, por quase dois terços da corrida. Em quarto, Lance Stroll tentava fazer o oposto. Largou de duros e segurava o carro por mais da metade da corrida. Veio o aviso. Na longa reta, explodiu o pneu da Aston Martin e o canadense estampou o muro com vontade. Seu colega, Vettel, largou de médios e seguiu a receita que já tinha sido projetada no Guaíba 300 por Hora. Aproveitou a vantagem do pneu para escalar o grid e voltar fortíssimo brigando pelo top 5 na sua melhor corrida em três anos.

Mas veio o safety car pela estampada de Stroll. As duas Alfa Romeo e Alonso arriscaram trocar pneus. O espanhol arriscou mais ainda, colocando pneus macios. Era uma tática kamikaze, mas o acaso ajudaria o espanhol no final. Na relargada, o espanhol costurou os rivais para pular de 14º para 11º. Tentou pressionar Ricciardo pelo último pontinho, mas o pneu começou a acabar.

Lá na frente, Verstappen fazia três vezes a volta mais rápida, Hamilton começava a se aproximar da zona de asa móvel de Perez, mas o mexicano mantinha o segundo posto. A cinco voltas do final, desastre para Verstappen. Lembrando Nigel Mansell na Austrália, em 1986, o leão holandês teve o pneu estourado na reta e bateu na mureta externa e provocou uma bandeira vermelha. Parecia o dia perfeito para Hamilton, num fim de semana que a Mercedes estava claramente pior. Mas o Azerbaijão reservava mais plot twist.

A paralisação salvou a tática de Alonso, por exemplo. Todo mundo podia trocar pneus e a galera foi para a borracha macia. Quem tinha pneu novo, se deu bem. Além de tudo, a relargada seria parada, no grid, estilo tradicional. A grande definição ocorreu antes, porém.

Na volta de aquecimento, Hamilton superaqueceu seus freios. Quando as sinaleiras acenderam, dava para ver a fumaceira saindo dos dutos. O britânico arrancou bem melhor que Perez e ia passar, mas quando acionou o pedal, não conseguiu parar. A Mercedes atravessou para a área de escape e o britânico caiu para último.

Alonso, por sua vez, passou Carlos Sainz e Ricciardo para ser o sétimo. Em seguida, mandou por fora de Yuki Tsunoda e avançou para o sexto lugar. Mais à frente, Gasly atacou Leclerc e a dupla trocou de posições, com vários xis por seis curvas seguidas. O piloto da AlphaTauri levou a melhor e garantiu a taça. Lando Norris ainda tentou tirar uma casquinha, mas Leclerc fechou a porta.

Disparado na frente, Perez fez a festa da galera do sombrero e da tequila, chegando à sua segunda vitória na Fórmula 1. Vettel estava ainda mais faceiro com o segundo lugar e um pódio improvável da Aston Martin, com Gasly finalmente concretizando o potencial da AlphaTauri. Leclerc repetiu seu melhor resultado com a Ferrari no ano, seguido de Norris e do batalhador Alonso. O sétimo foi Tsunoda, ressurgindo depois de longo hiato de corridas ruins. Sainz foi discreto em oitavo, com Ricciardo muito apagado em nono. Kimi Raikkonen faturou um merecido pontinho com a Alfa Romeo para fechar o top ten.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895