Red Bull apresenta carro mais extremo da nova F1, com assinatura de Newey

Red Bull apresenta carro mais extremo da nova F1, com assinatura de Newey

RB18 aposta em suspensão diferenciada e desenho de assoalho agressivo para defender título de Max

Bernardo Bercht

Projeto leva ao extremo o desenho da nova F1

publicidade

A Red Bull e Adrian Newey mandaram a famosa "banana" para a concorrência e o novo regulamento da Fórmula 1. O RB18, escondido no lançamento oficial, veio à tona nesta quarta-feira em Barcelona, e deixou todo mundo de gamela escancarada com sua agressividade e ousadia. Limite da regra e da engenharia são apelidos para o carro com o qual Max Verstappen vai defender seu título.

Na dianteira, o RB18 já dá seu recado com um nariz bem estreito e esculpido, ainda com o famoso "biquinho Newey" pintado de preto à frente da área amarela. A asa tem um ângulo de ataque mais neutro que o da Mercedes e tenta passar ar para o assoalho que vai ter um papel essencial neste design malucão.

A suspensão é a segunda pull-rod a aparecer na temporada, como a McLaren. Só que a Red Bull empacotou tudo bem melhor, com menos área frontal, que costuma ser o grande problema desta opção para fixar as rodas ao chassis.

Então chegamos aos elementos que quebraram a internet... A Newey adotou um conceito similar ao da Alpine, que forma uma espécie de assoalho duplo na área traseira. Só que o RB18 é muito mais agressivo na empreitada. As tomadas de ar laterais tem o estilo quadrado visto na AlphaTauri, mas com um recorte mais aerodinâmico que forma uma colher e conduz os fluxos para a área interna do carro e a parte superior do difusor.

O assoalho é todo esculpido atrás dos pontões que capturam ar para os túneis de venturi geradores de efeito solo. O recorte na tomada de ar é tão intenso que a fibra de carbono estrutural ficou exposta em preto, sem pintura, embaixo da lateral carenada em si, com o novo patrocinador do time.

Tudo foi tão compactado ali, que os elementos de motor, refrigeração etc tiveram que ser montados numa linha vertical e o santantônio, normalmente muito afilado na Red Bull, é mais largo. Essa turma toda se combinar e é harmonizada por uma barbatana sobre o capô de medidas econômicas.

Na vista traseira, por fim, fica bem claro o pseudo-assoalho duplo. A chamada "beam-wing", a asinha inferior do aerofólio traseiro, é bem mais larga que outros carros e forma o que parece um segundo difusor. É a saída de ar lá das entranhas da segunda camada geradora de downforce. O aerofólio, em si, também impressiona, com um desenho que mescla a forma em W com uma área central bem mais plana.

O projeto todo precisa funcionar, claro. Mas assim como a Ferrari, a Red Bull impressiona pela ousadia e detalhamento, ambas com conceitos diferentes. A otimização da Mercedes terá de ser muito boa para, com seu projeto mais conservador, superar as rivais.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895