capa

Como transformar resíduos em novos produtos?

Tema foi debatido em encontro realizado nessa quarta-feira, Dia Mundial do Meio Ambiente, no auditório do Ministério Público do Estado, em Porto Alegre

Por
Mauren Xavier / Correio do Povo

Evento ocorreu ontem no auditório do Ministério Público na Capital

publicidade

Como diminuir a geração de resíduos e reduzir a extração de recursos naturais? Como transformar aquilo que foi descartado em matéria-prima de novos produtos? Esses processos caminham juntos na discussão da Economia Circular, que foi o tema de encontro realizado nessa quarta-feira, Dia Mundial do Meio Ambiente, no auditório do Ministério Público do Estado, em Porto Alegre. Com o auditório lotado, o tema foi debatido pelas óticas teórica e prática. Segundo os palestrantes, as ações que estão em prática, mesmo que não completamente, como a reciclagem do lixo ou reduzir o uso de recursos naturais, não são mais suficientes. Assim, é necessário avançar na discussão do impacto do homem na natureza por outras frentes. De acordo com o pesquisador da USP (Universidade de São Paulo), Diego Iritani, é importante que a sociedade reduza os resíduos ou otimize os recursos naturais. "Porém, a economia circular é mais do que isso", provocou. Para ele, pensar esse processo passa por uma nova forma de olhar as relações, representando, positivamente, na atração e geração de mais investimentos, redução de custos, geração de valor, fortalecimento de relacionamento e novos negócios. 

Durante o evento, foram apresentadas iniciativas que incorporaram as estratégicas da economia circular, como a produção de itens como a produção de copos usando como matéria-prima a mandioca, que é renovável, e a reciclagem de equipamentos eletrônicos, que são reaproveitados pela própria indústria. Exemplos de medidas adotadas em hospitais da Capital, como a reciclagem de plástico, também foi demonstrada. Os exemplos representaram reduções de resíduos, menor extração de recursos naturais, além da geração de empregos. Na indústria química, por exemplo, o diretor de relações institucionais da Braskem, João Ruy Dornelles Freire, apresentou as ações desenvolvidas na empresa e as metas de longo prazo, que é a reduzir em até 50% as embalagens nos aterros até 2030.

Segundo o conselheiro da Federação das Indúdstrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) , Walter Lídio Nunes, as medidas de economia circular são cada vez mais urgentes e necessárias. Segundo o promotor de Justiça, Daniel Martini, um dos destaques do encontro é a reunião de diferentes integrantes da sociedade sobre o mesmo assunto. Detalhou ainda os impasses envolvendo a questão da legislação e o seu cumprimento. Na abertura, Annelise Steigleder, da Promotoria de Justiça, do MPRS, ressaltou que o debate sobre economia circular é essencial no momento em que, no âmbito nacional, tem ocorrido "uma desconstrução de políticas" relacionadas ao meio ambiente. Istefani Carísio de Paula, da Faculdade de Engenharia de Produção, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), detalhou que existem oito premissas relacionadas à Economia Circular. São elas: inovação em design, mudança de processos de produção e consumo; modelos de negócio; redes colaborativas; visão holística sistêmica; consciência ambiental; estrutura fiscal e financiamento; tecnologias.