Sommelier elenca as principais regiões produtoras de vinho do Brasil

Sommelier elenca as principais regiões produtoras de vinho do Brasil

Leandro D’Kessadjikian diz que a viticultura nacional tem crescido nos últimos anos

Correio do Povo

Sommelier analisa o potencial dos vinhos de cada região do país

publicidade

 Os vinhos produzidos no Brasil ainda têm um destaque tímido no cenário mundial, se comparados aos gigantes do mundo do vinho, como Itália, França e Portugal. Contudo, a viticultura brasileira está crescendo a passos largos nos últimos anos, com foco em qualidade e preço competitivo. “Sendo um país de dimensões continentais, o Brasil possui vários tipos de solo e clima, ideais para o cultivo de videiras diversas. Assim, são produzidos vinhos tintos, brancos, rosés e espumantes, para agradar a todos os amantes da bebida”, avalia o sommelier Leandro D’Kessadjikian, consultor da Wine & Spirit Education Trust (WSET). A maior parte das vinícolas brasileiras se concentra na região sul do país, principalmente no Rio Grande do Sul, mas também no Paraná e em Santa Catarina. As regiões sudeste e nordeste também têm se destacado, com foco nos estados de São Paulo e Minas Gerais, no sudeste, e Pernambuco e Bahia, no nordeste. Leandro traz mais detalhes sobre esses locais a seguir:

Rio Grande do Sul

A Serra Gaúcha era a única região produtora de vinhos do Brasil até os anos 70. Ela é responsável pela maior parte da produção do país. “Bento Gonçalves (onde fica o Vale dos Vinhedos), Garibaldi, Caxias do Sul e Flores da Cunha são os principais municípios produtores. Os espumantes e os tintos são os tipos de vinhos mais importantes da região”, aponta.

Campanha Gaúcha

Localizada na fronteira com o Uruguai, a Campanha Gaúcha tem planícies a perder de vista. Os solos relativamente férteis originam vinhos menos estruturados e mais leves. “As uvas mais cultivadas lá são as tintas Tannat, Cabernet Sauvignon, Merlot, Touriga Nacional, Alfrocheiro e Tinta Roriz, e as brancas Riesling, Chardonnay e Gewürztraminer”, cita o sommelier.

Campos de Cima da Serra

Essa região fica no extremo norte do Rio Grande do Sul e possui clima frio devido à alta altitude. “Por lá, os vinhos são elegantes e intensos, com destaque para os elaborados com as uvas Cabernet Sauvignon e Merlot, que amadurecem lentamente e atingem todo seu potencial aromático e de sabores”, descreve.

Santa Catarina

A produção catarinense de vinhos se fortaleceu nos anos 2000, nas cidades de São Joaquim e Bom Retiro. “A elevada altitude, as baixas temperaturas e o solo pedregoso e pobre contribuem para o cultivo das videiras. As uvas da região se tornam mais concentradas e geram vinhos mais encorpados”, explica o especialista.

Bahia e Pernambuco

Entre os estados da Bahia e de Pernambuco, estão dispostos 503 municípios. Com clima extremamente seco, poucas chuvas e alta insolação, o cultivo das videiras é dependente da irrigação. Os solos argilosos e arenosos oferecem características autênticas às bebidas. “Todos os tipos de vinhos são produzidos na região, com destaque para as uvas Moscatel, Cabernet Sauvignon e Syrah”, acrescenta Leandro.

Região Sudeste

Os Terroirs da Colheita de Inverno estão transformando o mapa da viticultura no Brasil. Por meio da tecnologia, que permite que a colheita das uvas seja realizada durante o inverno em regiões mais quentes do país, como a sudeste, diversas vinícolas estão produzindo vinhos finos de reconhecimento nacional e internacional – com a casta Syrah, em especial. “Calor de dia, bastante frio à noite e clima seco garantem vinhos complexos, com muita acidez e álcool. Diversas vinícolas estão despontando neste cenário em regiões como Sul de Minas, Cerrado Mineiro e interior de São Paulo”, completa.

 


Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895