Fim da saidinha

Fim da saidinha

Fim da ‘saidinha dos presos’: como votaram os gaúchos

Guilherme Baumhardt

publicidade

Em 2011, as irmãs Juliana Vânia de Oliveira, 15 anos, e Josely Laurentino de Oliveira, 16, foram brutalmente assassinadas. O crime foi cometido por Ananias dos Santos. À época, ele era foragido do sistema prisional, após não ter retornado para a cadeia, beneficiado pela famosa “saidinha temporária”. Uma família destroçada, duas meninas mortas e um bandido que deveria apodrecer na cadeia sendo beneficiado por uma lei esdrúxula. Casos assim não são raros e, quando não é um crime cometido, acontece o deboche.

Suzane Von Richtofen foi condenada à prisão pela participação no assassinato dos pais, em 2002. Anna Carolina Jatobá foi parar atrás das grades por matar a enteada, em 2008. Quatro anos depois, em 2012, Elize Matsunaga matou e esquartejou o marido, o empresário Marcos Matsunaga. Além dos crimes, o que há de comum entre elas? Todas foram beneficiadas, em março deste ano, com a saidinha temporária da prisão.

Na semana que passou, o Brasil deu o primeiro passo para acabar com esse absurdo. Aprovado na Câmara, o projeto que coloca um fim na prática precisa agora ser votado pelos senadores e, depois, sancionado pelo presidente da República, o que deve acontecer nas próximas semanas.

Tão importante quanto saber que a proposta está avançando, é conhecer quem se posicionou de maneira contrária. No caso do Rio Grande do Sul, votaram a favor dos presos e contra a população os seguintes deputados: Afonso Motta (PDT), Bohn Gass (PT), Heitor Schuch (PSB), Henrique Fontana (PT), Marcon (PT), Maria do Rosário (PT) e Paulo Pimenta (PT).

Sobre Maria do Rosário, uma menção especial. A parlamentar que tanto reclama de ser injustamente acusada de ser defensora de bandidos perdeu uma oportunidade ímpar de mostrar que é vítima de injustiça. Talvez as críticas, deputada, não sejam assim tão infundadas, e a fama, bem, essa não se constrói sozinha.

O que é pior?

Há material circulando na rede, vídeos que mostram Lula em eventos vazios ou recepções mais geladas que traseiro de pinguim. A pergunta que fica é: o que é pior? A reação, por vezes forte e até exagerada, em ocasiões nas quais o ex-ocupante de uma cela da Polícia Federal desembarcava em uma cidade ou região? Ou o quase desprezo pela sua presença?

Reação na Ufrgs

A publicação de uma carta, pretensamente de toda a comunidade acadêmica, a favor da candidatura petista à Presidência da República provocou reações. Nos últimos dias ganhou força outro documento, de um movimento chamado Ufrgs Para Todos. O Manifesto Ufrgs Plural afirma que a universidade não tem apenas uma convicção política e que, por isso, ninguém pode falar em nome da instituição. Parabéns aos envolvidos e signatários da carta.

Senado I

Uma mudança importante altera radicalmente o cenário na briga pelo Senado. Lasier Martins, o atual ocupante da cadeira que entra em disputa, anunciou que concorrerá a uma vaga na Câmara dos Deputados. A decisão reduz a pulverização de votos no mesmo campo ideológico (centro-direita), que ainda conta com os nomes de Hamilton Mourão, Ana Amélia Lemos e Comandante Nádia. É a disputa onde a esquerda tem mais chances de êxito, com Olívio Dutra.

Senado II

Para quem não quer a esquerda, o chamado voto útil é a saída possível. Mas há um problema: até agora não há um cenário uniforme nas pesquisas, indicando qual dos três nomes é o favorito para ser o anti-PT. O levantamento mais recente indicou Mourão como o candidato mais forte, mas em uma simulação que ainda não contava com o nome de Olívio Dutra.

Pânico

Leia com atenção as próximas linhas. O peso da dívida pública geral sobre o PIB despenca e atinge o menor percentual da série histórica. Na indústria, segundo dados da CNI, há recuperação no faturamento, emprego e salários. O IGP-DI, um dos índices oficiais de inflação do país, mostrou queda nos preços (-0,38%). O Banco Central do Brasil, aliás, está à frente do norte-americano e do europeu na tarefa de controlar a inflação. Temos hoje (graças à redução de impostos e sem interferência governamental na Petrobras) uma das gasolinas mais baratas do mundo. Os profetas do caos devem estar arrancando os cabelos...

 

 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895