China se alia ao Japão

China se alia ao Japão

Parceria Econômica Regional Abrangente vai movimentar cerca de um terço da economia mundial

Jurandir Soares

publicidade

As ações protecionistas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deixam uma herança pesada para o seu sucessor Joe Biden. Dentre essas ações estão a guerra comercial travada contra a China e o abandono, em 2017, do Acordo Ásia Pacífico, TPP na sigla em inglês, acertado por seu antecessor Barack Obama e que envolvia 12 países. Esse acordo não só teve sequência sem os EUA, como acaba de ampliar-se, transformando-se no RCEP na sigla em inglês, Parceria Econômica Regional Abrangente. Além de envolver outros parceiros, como Austrália, Nova Zelândia e Vietnã, entre outros, também colocou no mesmo grupo potências como China, Japão e Coreia do Sul.

O RCEP envolve no total 15 países da Ásia-Pacífico que juntos movimentam cerca de um terço da economia mundial. Segundo economistas do bloco, este pacto deverá acrescer à economia 200 bilhões de dólares anuais até 2030, criando um bloco tão sólido quanto a União Europeia. O acordo só não se tornou maior porque a Índia desistiu de participar, por dois motivos. Um, pelo contencioso fronteiriço que tem com a China, foco de constantes confrontos bélicos entre os dois países. E outro, porque a Índia não quis ser inundada pelos baratos produtos chineses.

É preciso considerar, no entanto, que o novo acordo, embora estabeleça isenção de tarifas da ordem de 90%, não envolve um mar de rosas. Especialmente, porque engloba desde potências econômicas até países pobres. E sobre um dos produtos básicos da região, eletroeletrônicos, ainda não houve um acordo. Porém, como destaca o professor Peter Petri, de Finanças Internacionais da Universidade Brandeis, dos EUA, “fator crucial é que marca o primeiro acordo de livre comércio entre China, Japão e Coreia do Sul. Embora o RCEP seja um pacto bastante superficial, ainda é um grande passo. Permite que eles realizem algo que seria muito difícil politicamente se o fizessem apenas entre si”. O fato é que o acordo dá à China uma voz importante na definição de padrões para o comércio regional.

E para finalizar, o que escreveu Tatiana Prazeres, senior fellow na Universidade de Negócios Internacionais e Economia, em Pequim, e ex-secretária de comércio exterior e conselheira sênior na direção-geral da OMC: “Se é que o governo Trump tinha uma política comercial para a Ásia, ela falhou. Além de resultados minguados na queda de braço com os chineses, os anos Trump viram a conclusão do TPP excluindo os EUA e a do RCEP incluindo a China. À moda de Trump, o presidente americano destruiu o que existia e não colocou nada no lugar. O vácuo foi rapidamente ocupado”.

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895