O impasse ucraniano

O impasse ucraniano

Possível confronto militar na fronteira leva países e Otan a mobilizações

Jurandir Soares

publicidade

Três reuniões, em Genebra, Bruxelas e Viena, aconteceram nesta semana entre representantes da Rússia e da Otan, a aliança militar do Ocidente, para discutir o caso da Ucrânia, ponto de divergência que pode levar os dois lados a uma confrontação militar. Algo que ambos os lados dizem não querer, mas que também não arredam pé de suas reivindicações. O caso da Ucrânia remonta ao período da Guerra Fria, quando tínhamos a confrontação entre o Leste, composto pela União Soviética e sua força de defesa chamada de Pacto de Varsóvia. E do outro lado o Ocidente, capitaneado pelos Estados Unidos e integrado ainda por Canadá e países da Europa Ocidental, sob a proteção da Otan, Organização do Tratado do Atlântico Norte. Era o período do chamado “equilíbrio do terror’, pois ambos os lados possuíam armas nucleares capazes de promover uma catástrofe mundial. A Europa Ocidental, capitalista, era separada da Europa Oriental comunista pela chamada “cortina de ferro”. Depois do período mais tenso vivido em 1962 com a “crise dos mísseis”, quando a Rússia tentou instalar mísseis nucleares em Cuba e o mundo viveu uma semana de pânico, as duas potências resolveram respeitar suas respectivas áreas de influência. 

O fim da União Soviética, em 1991, determinou o fim da Guerra Fria e da hegemonia de Moscou sobre seus satélites. Pois a maior parte desses países passou a fazer parte da União Europeia ou da Otan, ou mesmo das duas. Depois que Vladimir Putin assumiu o governo da Rússia, em 2000, e na medida em que foi se fortalecendo, resolveu dar um basta nesse avanço ocidental. E isto se deu justamente quando a Ucrânia se ensaiava para acompanhar seus antigos parceiros de União Soviética que debandaram. Mostrando a que veio, Putin retomou a província da Crimeia, que a Rússia havia dado à Ucrânia na década de 1950, e passou a fomentar movimentos separatistas do Leste da Ucrânia, onde há uma população de origem russa.

O impasse hoje é que o Ocidente insiste no fato de que a Ucrânia, assim como outros ex-integrantes da URSS, tem o direito de escolher se quer ou não fazer parte da Otan ou da UE, enquanto que a Rússia insiste numa declaração ocidental abrindo mão desse objetivo. Na prática, há o aberto apoio militar russo aos separatistas do Leste da Ucrânia, onde se desenvolve uma guerra civil, e ainda ameaça invadir o território ucraniano, tendo concentrado cerca de 100 mil soldados junto à fronteira. O presidente americano, Joe Biden, disse que se a Rússia invadir a Ucrânia sofrerá graves consequências. Em meio ao impasse das negociações desta semana, a Rússia fez uma ameaça que remonta à Guerra Fria: anunciou que poderia mandar armas para Cuba e Venezuela. Ou seja, para dois países que estão na área de influência dos EUA, mas que se identificam politicamente com a Rússia. Assim, depois de três importantes encontros para tentar por um fim ao impasse da Ucrânia, estamos diante de um possível retrocesso histórico.

 


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895