Coudet perdeu o Gre-Nal no vestiário

Coudet perdeu o Gre-Nal no vestiário

É o 10º embate seguido com vitória do Grêmio

Nando Gross

publicidade

Ao montar o seu time entendendo que o empate seria bom resultado e decidindo jogar com o tal “regulamento debaixo do braço”, Coudet acabou com as possibilidades de vitória da sua equipe no último Gre-Nal. Está claro que falta um entendimento do técnico argentino sobre a representatividade do clássico, não é possível que um time que não vence o seu maior rival há nove partidas, podendo chegar ao constrangedor número 10, entre em campo sem a ambição da vitória, administrando um empate que em tese era entendido como bom resultado. É importante lembrar que se vencesse a partida, o Inter iria a 10 pontos, deixando os demais com quatro, faltando apenas duas rodadas. A classificação estaria garantida e ainda deixaria seu maior rival numa situação complicada para chegar à próxima fase.

A exceção de Coudet, há um entendimento geral de que Lindoso e Musto juntos não funcionam, mas a meu ver o mais grave não foi o erro de escalação e sim a orientação passada aos jogadores. O Inter simplesmente entrou em campo esperando pela iniciativa do Grêmio, tentando tirar a velocidade do jogo e quem sabe atingir o tão sonhado 0 a 0. Mas como entender que um time que não ganha do seu rival há mais de dois anos, jogando no seu estádio, valendo classificação antecipada para a próxima fase da Libertadores, entre sem a ambição de vitória? Claramente, Coudet não faz a menor ideia do que representa o Gre-Nal neste estado. Talvez seja necessário que o atual técnico colorado converse com atletas ilustres que brilharam no Inter e moram em Porto Alegre, talvez ele entenda um pouco mais do que estamos falando. Poderia, por exemplo, conversar com Paulo Roberto Falcão, maior jogador da história e que como treinador do Inter conquistou um Gauchão exatamente em cima de Renato e em pleno Estádio Olímpico.

Mas por aqui estão também Dunga, Carpegiani, dentro do clube tem o Iarley e tantos outros. Ou que Coudet faça uma simples visita a um local público para conversar com os torcedores, isso já será suficiente para perceber o que representa para o clube este jogo que ele resolveu “administrar” e ao fazer isso deixou seu time lento, apático e inofensivo. Não acho que o Inter tenha que mudar de treinador, mas o desempenho de Coudet nos clássicos pode custar caro a ele. Enquanto não perceber que o Gre-Nal é uma competição a parte, provavelmente vai continuar perdendo para Renato. Semana que vem terá mais uma chance, quando terá de estar mais uma vez frente a frente com Renato.

Coudet defende ideias de um futebol ofensivo, vertical, com transição rápida e marcação pressão no homem da bola. Para fazer isso, é preciso treinamento e jogadores adequados para essas funções. Observo a escalação do Gre-Nal e a estratégia de jogo colocada em prática e fico com a certeza de que Coudet pegou todos os seus conceitos sobre futebol e disse aos jogadores para esquecê-los durante o clássico. Não tenho nenhuma dúvida de que o problema do Inter no enfrentamento com o Grêmio não é apenas técnico ou tático, com certeza passa pelo sistema emocional, mas não apenas dos atletas, inclui a comissão técnica e o comandante Eduardo Coudet. É possível perder um Gre-Nal antes mesmo de entrar em campo, basta decidir no vestiário qual o objetivo da equipe na partida, se não for o de vitória, com certeza sairá de campo derrotado.

O exemplo das gurias

E falando em quem poderia ajudar Eduardo Coudet a entender o Gre-Nal e assim aprender a jogá-lo, dentro do próprio Inter cabe uma olhadinha nas gurias que na última quinta-feira venceram o primeiro Gre-Nal válido pela Série A1 do Brasileirão Feminino. Com esta vitória, o Inter ampliou a sua invencibilidade para oito jogos contra o Grêmio. Quem sabe o técnico Maurício Salgado não conversa com Eduardo Coudet, poderiam também os jogadores trocarem algumas informações com as gurias para entender como se faz para vencer um clássico desta dimensão.

Messi faz homenagem a Suárez

Lionel Messi postou um texto emocionante em suas redes sociais nesta sexta-feira, despedindo-se do amigo Luis Suárez e lembrando também com fotos os momentos que viveram ao longo de seis anos de parceria no Barcelona. O melhor do mundo não hesitou em mais uma vez criticar a diretoria do Barcelona.
“Você merecia sair como o que é: um dos jogadores mais importantes da história do clube, conseguindo coisas importantes tanto coletiva como individualmente. E não que te expulsassem, como fizeram. Mas a verdade é que a esta altura nada me surpreende.” (Lionel Messi)

Os bons problemas de Renato

Renato Portaluppi fez uma alteração tática a partir do jogo contra o Palmeiras que melhorou o desempenho do time, portanto tudo indica que a ideia será mantida para os próximos jogos. Quanto à escalação, com as recuperações de Jean Pyerre e Maicon, começam as especulações sobre como ficaria o time. Jean entraria na vaga hoje ocupada por Darlan, pelo lado direito do tripé de meio-campo. Lucas Silva teve boa atuação no Gre-Nal e deverá ganhar uma sequência, então onde entraria Maicon, na vaga de Matheus? São bons problemas que Renato terá de administrar nos próximos dias.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895