Covid muda jogo do Grêmio de país

Covid muda jogo do Grêmio de país

A partida foi transferida de local por conta do surto de covid-19 no Equador.

Nando Gross

Jogo do Grêmio contra o Independiente del Valle foi transferido pela Conmebol para o Defensores del Chaco

publicidade

A Conmebol transferiu a partida do Grêmio desta quarta-feira, contra o Independiente del Valle, para a próxima sexta-feira, 9 de abril, em Assunção, no Paraguai, às 19h15min de Brasília (18h15min local). A delegação viaja de Quito para Assunção, em horário e data ainda a serem divulgados. A partida foi transferida de local por conta do surto de covid-19 no Equador. Com isso, o time tricolor ganha mais tempo para se ajustar a este momento sem seu técnico, sem Maicon e sem Kannemann.

O jogo contra o Independiente Del Valle se apresenta cada vez mais com dificuldades. Não que estejamos falando de um possível candidato ao título, mas o fato de ser início de temporada. O Grêmio está remontando a sua equipe, com desfalques e sem a presença de Renato, com certeza aumenta o grau de dificuldades do confronto.

Claramente o Grêmio está em uma transição de modelo de jogo, saindo de um jogo propositivo para apostar em uma ideia reativa, de transição em velocidade e deixando a posse de bola para o adversário. No Gre-Nal teve apenas 31% de posse, mas finalizou mais e quando pôde fez o seu gol. A preocupação foi muito mais defensiva do que ofensiva e acho que esta ideia estará novamente presente na partida desta sexta-feira.

Especulando o Grêmio

Pelo baixo desempenho de Pinares no clássico Gre-Nal, acredito que o time do Grêmio possa começar de forma diferente sexta à noite, com as presenças de Lucas Silva e Darlan, mudando o sistema tático para o 4-1-4-1. Maicon não viajou, o mesmo acontecendo com Kannemann e Pepê. Do meio para a frente seriam: Lucas Silva, Matheus Henrique, Darlan, Alisson (lado direito) e Ferreira (lado esquerdo) e Diego Souza mais à frente.

O fantasma do Gre-Nal

A derrota colorada no Gre-Nal traz de volta ao torcedor colorado o fantasma do fracasso que foi Eduardo Coudet nos seus confrontos contra Renato. Foram seis clássicos, com quatro derrotas do Inter e dois empates, nenhuma vitória. Isto sempre gerou um desconforto no grupo colorado e a questão emocional foi se agravando ao longo da temporada passada. Abel percebeu que a questão era muito mais mental do que qualquer outra coisa e foi assim que conquistou a única vitória do Inter em Gre-Nais dos últimos anos. O Inter nem jogou bem aquela partida, mas o espírito do Gre-Nal estava na mente dos jogadores e foi assim que a vitória acabou acontecendo.

Dourado tem razão

É importante que seja respeitada a rivalidade, mas não ao ponto de achar que está tudo errado porque perdeu o Gre-Nal, existem vários fatores que explicam o fracasso e Dourado manifestou isso muito bem, mesmo que tenha desagradado muita gente. O diagnóstico expressado pelo capitão colorado é algo que venho falando há quase um ano, é preciso identificar os motivos que levam os jogadores colorados a renderem bem abaixo do que podem quando enfrentam o Grêmio.

Estádio Mário Filho

O presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro apresentou o veto de seu próprio projeto que mudaria o nome do Maracanã de Mário Filho para Pelé. Portanto, o Maracanã seguirá sendo Mário Filho depois da enorme rejeição manifestada pelos mais diversos setores da sociedade brasileira. Mário Filho é um dos maiores nomes do jornalismo brasileiro e o pioneiro no jornalismo esportivo. Sua postura foi decisiva para que o estádio esteja no seu atual local e não em Jacarepaguá, como tentaram levá-lo. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895