Disputa constrangedora

Disputa constrangedora

Trabalho com jornalismo esportivo e fico constrangido vendo todo este movimento para furar a fila e sua ordem natural de prioridades.

Nando Gross

É inaceitável que atletas sejam vacinados para que os eventos esportivos sejam realizados, furando a fila natural da ordem das vacinas

publicidade

Fico perplexo quando vejo esta disputa por prioridades pela vacina contra a Covid-19. Estamos vivendo o famoso “salve-se quem puder”, ou o chamado “é cada um por si”, ainda mais diante do quadro atual de total falta de vacinas. Em ranking global, o Brasil está em 57º lugar na aplicação de doses da vacina contra a Covid-19, considerando o número de doses a cada 100 habitantes, apenas 14,7% da população, e já ultrapassamos o número de 400 mil mortes pelo coronavírus. É inaceitável que atletas sejam vacinados para que os eventos esportivos sejam realizados, furando a fila natural da ordem das vacinas, que tem a ver com pessoas e não com categorias profissionais.>
Reafirmo que a única categoria que indiscutivelmente precisa estar protegida é a dos profissionais da saúde, que estão atuando na linha de frente no combate à pandemia. A fila deve seguir tendo como prioridade as pessoas, e não categorias profissionais, no entanto, atletas e todos que trabalharão nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio serão vacinados, por decisão do Ministério da Defesa e do Ministério da Saúde, e claro, com o orgulhoso aval do Comitê Olímpico do Brasil. Assim, teremos cerca de 1,5 mil, incluindo jornalistas, que irão entrar no grupo prioritário do Plano Nacional de Vacinação.

Em março, as Forças Armadas já tinham incluído os atletas militares no plano de prioridade. Vendo que tinham mais vagas neste “trenzinho da vacina”, a CBF começou o trâmite junto ao Ministério da Saúde em busca da autorização para receber sua parte entre as 50 mil doses doadas pela Sinovac. A entidade estava pessimista sobre a permissão do governo federal, mas depois que os credenciados para Tóquio foram colocados como prioritários, a CBF formalizou a demanda, em ofício. O público-alvo da vacina é formado por jogadores, comissões técnicas e profissionais que atuam nos jogos.

A Conmebol, Confederação Sul-Americana de Futebol, batizou a turma da vacinação como a “família do futebol”, esquecendo que esta família é muito maior, como há pouco foi mostrado aos dirigentes que tentaram inventar a ridícula “Superliga”. Nesta fila da Conmebol, os primeiros a serem vacinados serão os membros das dez seleções que participarão da Copa América, na Colômbia e Argentina, e dos times que estão na Libertadores e Sul-Americana. Posteriormente, entram times masculinos e femininos da primeira divisão de cada país, assim como árbitros e outros envolvidos na organização dos jogos.

O Brasil deveria estar unido vacinando toda a sua população e não disputando quais categorias profissionais devem ter prioridade. Trabalho com jornalismo esportivo e fico constrangido vendo todo este movimento para furar a fila e sua ordem natural de prioridades.

Grêmio 100%

O Grêmio venceu o Lanús e garantiu 100% de aproveitamento nas duas primeiras partidas da Copa Sul-Americana. Tiago Nunes começa a ajustar o sistema defensivo, compactando mais a equipe e deixando seus zagueiros mais protegidos. A pressão no “homem da bola” é algo ainda a evoluir, mas já vimos uma equipe bem mais organizada e com controle emocional. Ferreira foi o grande nome do jogo, algo que vem sendo recorrente, é mais um jogador que o clube revela atuando preferencialmente pelo lado esquerdo ofensivo.

Vitória que dá moral

O Inter de Miguel Ramírez venceu de goleada o Táchira, da Venezuela, e fez as pazes com parte da torcida que estava desconfiada, afinal de contas nas duas partidas mais importantes até então, o Gre-Nal e a estreia na Libertadores, o time havia perdido. Esta vitória dá mais confiança para que o técnico siga seu trabalho, fortalecendo seus conceitos de jogo. Algumas escolhas contestadas de Ramírez deram boa resposta, como Maurício e Galhardo. Muitos defendiam Praxedes e Yuri Alberto, mas o fato é que os escolhidos pelo treinador se saíram muito bem.

O impressionante City

Impressionante a disciplina tática da equipe do Manchester City, comandada por Pep Guardiola. O nível de concentração dos atletas é impressionante, não importa o placar do jogo, o time quer a bola o tempo todo e joga sempre em busca do gol. No jogo contra o Paris Saint-Germain, pela Uefa Champions League, Guardiola sabia dos riscos dos contra-ataques tendo Neymar e Mbappé do outro lado, então tratou de isolar os dois e evitar que a bola chegasse até eles. Venceu por 2 a 1 na França e com o saldo qualificado, o PSG precisa de um 2 a 0 em Manchester ou a partir de uma vitória de 3 a 2. Acho que o City está na final. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895