O dilema colorado

O dilema colorado

E se Abel conquistar o título que parecia impossível, vai embora no dia seguinte ou deve ficar até o final de 2021?

Abel revelou que novas conversas entre ele e o presidente Alessandro Barcellos irão definir o futuro dele

publicidade

O Inter venceu o Gre-Nal e chegou ao número impressionante de oito vitórias consecutivas. Hoje, está sendo apontado pela maioria da imprensa nacional como o grande favorito para vencer o Brasileirão 2020. Além do desempenho extraordinário da equipe colorada, todos os seus concorrentes da ponta de cima da tabela se mostram muito irregulares, o que fez com que o Inter assumisse a ponta da tabela com vantagem no momento de quatro pontos para o São Paulo, que é o segundo colocado.

E o que aconteceu como fato novo, alguma grande contratação, o que mudou? A única alteração foi a saída de Coudet e a chegada de Abel Braga. O início foi ruim e antes da eleição não havia nenhum candidato de oposição que cogitasse a permanência de Abel.

Mas não há teoria que se sustente se ela contraria os fatos. O desempenho de Abel acorda o Brasil e dá um puxão de orelhas nos radicais do “moderno”, que acreditam que o novo sempre é mais eficiente. Neste caso não estamos falando de renunciar a novas tecnologias colocadas a serviço do esporte, o debate aqui envolve modelo de jogo e o conceito de eficiência. Abel lembra o óbvio em futebol, de que não há apenas uma forma de jogar para conseguir vencer. Ninguém na diretoria quer falar no assunto para não desviar o foco, mas o debate entre os colorados está em todo o lugar: e se Abel conquistar o título que parecia impossível, vai embora no dia seguinte ou deve ficar até o final de 2021? E existe mesmo um acerto com Miguel Ángel Ramírez?

O fato é que não há nada de errado em a nova diretoria mudar de ideia e manter Abel. Perceber os acontecimentos para tomar decisões e fazer alterações de rumo são características dos grandes gestores. Já defendi que mesmo Abel sendo campeão, a diretoria deveria seguir com o seu planejamento anterior, mas olhando os fatos, sempre os fatos, não é possível mandar embora um técnico que tira da fila o clube depois de 40 anos de jejum no Brasileirão e sendo ele ainda o mesmo técnico campeão da América e do Mundo, o maior título da história colorada. A questão é também saber a decisão de Abel, pode querer ir embora depois do campeonato, mas se for da sua vontade prosseguir, não seria justo lhe negar a possibilidade de disputar mais uma Libertadores. 

O racismo que nos envergonha

O Gre-Nal historicamente tem debate sobre arbitragem, especialmente quando existe a marcação de um pênalti. No caso deste último clássico, teve um pênalti contra o Grêmio, que reclama da não marcação de um a seu favor ocorrido minutos antes, numa disputa entre Nonato e Ferreira.

Nos dois lances não houve a checagem do VAR, o que indignou os gremistas. Renato denunciou complô, nada que não faça parte da rivalidade, o presidente Romildo se manifestou, eles estão falando com seus torcedores e têm o direito de manifestar as suas indignações, mas o que nos envergonha foi o que assistimos nas redes sociais. Foram inúmeras postagens racistas contra o árbitro Luiz Flávio de Oliveira, inclusive de pessoas conhecidas, mas que se revelam quando são idiotizadas pelo futebol. Isto realmente entristece. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895