O fim de um ciclo

O fim de um ciclo

Renato já não consegue resolver as questões de campo e se mostra incapaz de lidar com os maus resultados e as críticas que lhe são feitas pela imprensa.

O ciclo de Renato Portaluppi parece estar terminando no Grêmio

publicidade

Pode até ser que a reta final do Brasileirão e os jogos decisivos da Copa do Brasil mudem completamente o cenário atual, mas o que estamos vendo com clareza é que o ciclo de Renato Portaluppi parece estar terminando no Grêmio. Ele já não consegue resolver as questões de campo e se mostra incapaz de lidar com os maus resultados e as críticas que lhe são feitas pela imprensa.

Suas entrevistas tomam a forma de ameaças, como se tivesse um relatório secreto sobre todos que lhe atribuem críticas, portanto quem fizer isso terá o “seu segredo” revelado e vai ter de responder para a torcida do Grêmio.

Aliás, este é um método que foi utilizado por Donald Trump enquanto foi presidente dos Estados Unidos e que é também adotado por autoridades aqui no Brasil, mas que funciona somente durante um certo tempo, tem vida curta, porque nada é maior do que a realidade. E quem comanda será sempre cobrado pelos fatos, pelos resultados, não há como escapar disso.

Foi uma temporada inteira em que o Grêmio teve apenas alguns momentos de bom futebol e onde Renato ficou fortalecido basicamente pelo seu desempenho nos clássicos Gre-Nais, foi isto que lhe deu respaldo junto ao torcedor. E posso afirmar que os resultados até o momento ainda são melhores do que os desempenhos.

O Grêmio ganhou o Gauchão perdendo em casa para o Caxias e na Copa do Brasil enfrentou apenas um grande adversário, que foi o São Paulo, até chegar à final. Se vencer o Palmeiras, Renato sai por cima com mais um grande título nacional e vaga direta na próxima Libertadores. Se o Inter não vencer o Brasileirão, ficará mais fortalecido ainda, mas também corre o risco de perder a final, ficar apenas na pré-Libertadores e ainda assistir ao maior rival ser campeão brasileiro.

A questão é que a análise tem de ser feita de forma mais profunda. Sempre defendi a permanência de Renato nos últimos anos, ele sempre soube superar as dificuldades e passar por cima dos problemas mantendo o Grêmio em alto nível, mas é inegável que esta temporada está muito abaixo, mesmo que exista a possibilidade de encerrá-la com a conquista da Copa do Brasil. O título poderá vir, mas é preciso olhar para frente e avaliar se é possível ter sucesso no restante do ano com o mesmo comando no futebol, essa é a pergunta a ser respondida.

O Grêmio já manifestou a Renato a intenção na sua permanência. Quem não respondeu ainda sobre o futuro é o treinador, que prefere aguardar um pouco mais. O próprio Renato deve estar avaliando o quanto ele ainda consegue dar ao Grêmio para fazer com que a equipe volte a jogar em alto nível. Olhando de fora, a impressão que fica é de que o ciclo está se encerrando e o melhor para os dois é que seguissem caminhos diferentes na próxima temporada.

Passou dos limites

De forma muito perigosa, Renato fez uma ameaça aos jornalistas ao tentar transformar torcedores em justiceiros: "Eu não tenho medo de nenhum de vocês. Vou dar o nome, deixar vocês mais famosos. Depois se acertem, se entendam com a torcida do Grêmio". A Associação dos Cronistas Esportivos Gaúchos (Aceg), divulgou uma nota de repúdio à declaração do treinador. Renato pode dizer que ninguém entende nada, que são todos desinformados e coisas desse tipo, mas usar o seu prestígio no Grêmio para incitar a violência não faz parte dos seus direitos.

Desafio colorado

O Inter ganhou o último clássico Gre-Nal, mas o próprio Abel sabe e afirmou publicamente que não foi uma boa atuação da sua equipe. O segundo tempo do time colorado não foi bom, mas a equipe mostrou capacidade de superação e conseguiu reverter uma derrota que parecia certa. Então, ao mesmo tempo em que Abel precisa corrigir os problemas coletivos mostrados no domingo, ele tem o trunfo de contar com um grupo mais fortalecido emocionalmente pela vitória no Gre-Nal e pelas circunstâncias em que ela aconteceu.

Seis jogos para o tetra

A rodada deste domingo teoricamente é mais difícil para o Inter do que para os seus principais concorrentes ao título. O time de Abel Braga recebe o Bragantino, que tem a segunda melhor campanha do returno, atrás apenas do Internacional, enquanto o Flamengo pega o Sport Recife, que é o 15º colocado, o São Paulo enfrenta o Atlético Goianiense e o Atlético Mineiro, o Fortaleza. Os três jogam fora, enquanto o Inter joga em casa, mas sem os torcedores o fator local perdeu em muito a sua força e o Bragantino não perdeu ainda em 2021. Depois deste jogo, o Inter ainda terá o Athletico Paranaense, na Arena, em Curitiba, outro que está no G-4 do returno do campeonato. O caminho ainda é longo para o título.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895