O recomeço da dupla Romildo e Renato

O recomeço da dupla Romildo e Renato

O Grêmio precisa virar a página e recomeçar e a melhor forma de fazer isso é com uma vitória consistente na noite de hoje na Arena.

Nando Gross

Romildo e Renato formam uma dupla de sucesso no Grêmio nos últimos anos

publicidade

Romildo e Renato formaram uma dupla de sucesso no Grêmio nos últimos anos, mesmo que 2020 tenha sido abaixo do esperado. Se analisarmos o trabalho ao longo de todo o período, é fácil perceber a transformação do clube. O Grêmio não tinha mais protagonismo nacional desde o título da Copa do Brasil de 2001. De lá para cá, o clube teve o rebaixamento e entrou numa grave crise financeira.

Com a chegada de Fábio Koff, começou a reação, que depois ganhou maturidade quando Romildo Bolzan Júnior assumiu o comando indicado pelo próprio Koff. Romildo soube unir o clube politicamente e estabilizou as finanças de forma precisa, sem prejudicar a qualidade do time. Acertou quando começou um trabalho com Roger, decisivo na mudança de característica do modelo de jogo, que posteriormente se mostrou vitorioso com a chegada de Renato e as conquistas da Copa do Brasil e da Libertadores. Além disso, Renato recuperou a hegemonia local, o que sabemos faz muita diferença por aqui devido à nossa rivalidade.

Mesmo sem conquistar títulos expressivos desde 2017, o Grêmio manteve a supremacia em relação ao seu maior rival e apesar do ano ter sido ruim, ainda assim foi campeão gaúcho e disputou a final da Copa do Brasil. Por estas credenciais é que o torcedor gremista deve ter esperança de que as mudanças anunciadas pelo presidente e a sua projeção de futuro para 2021 poderão realmente ter efeito positivo, porque ambos já mostraram na prática que possuem capacidade para isso.


Começa hoje

Sem tempo algum para colocar em prática um novo projeto, o Grêmio entra em campo hoje à noite para jogar pela Libertadores da América, ou a “Pré-Libertadores”, como chamamos por aqui. O adversário é um ilustre desconhecido, mas os últimos jogos do Grêmio não recomendam otimismo e é evidente que isto gera preocupação. Jean Pyerre, Pepê e Paulo Vitor estão fora, o que considero um acerto diante das atuais circunstâncias, só é preciso que Renato acerte nas escolhas, como por exemplo o ingresso de Ferreira e Pinares no time. Como tenho insistido, Ferreira rende muito mais como extrema pela direita, mas com Pepê fora do jogo, tudo indica que ele será escalado na esquerda.

Não conhecemos a qualidade do time adversário, mas tudo indica que vai apostar numa “retranca” para tentar não perder o jogo ou até mesmo sofrer uma goleada. O Grêmio precisa virar a página e recomeçar e a melhor forma de fazer isso é com uma vitória consistente na noite de hoje na Arena.

Rejeitamos o desconhecido

É inacreditável que um treinador seja criticado por ter um projeto para colocar em prática ao assumir uma equipe de futebol. Imagina um sujeito chegar ao Internacional e não ter a menor ideia do que pretende fazer, ou simplesmente perguntar aos atletas como eles vinham jogando e tentar reproduzir o mesmo.

Ramírez está sendo criticado sem que ninguém tenha visto na prática o seu trabalho até agora no Inter. Ele antes estava observando à distância, agora está fazendo isso de perto, nada além disso.
O inacreditável é que ele está sendo criticado porque tem uma ideia do que pretende implantar no Inter, ou será que é por que existe uma forte tendência a rejeitar tudo o que não conhecemos?

Não há mais espaço para chutadores. Um profissional, quando assume uma equipe, busca implantar os seus conceitos, ou alguém acredita que Abel Braga veio para Porto Alegre sem ter nenhuma ideia do que pretendia fazer quando assumisse a equipe? 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895