A bola está com os críticos

A bola está com os críticos

Piratini quer ouvir de setores alternativas para saída da crise

Taline Oppitz

O líder do governo, Frederico Antunes (PP), e o relator do Orçamento, Mateus Wesp (PSDB)

publicidade

Com mais de 70 participantes reunidos em videoconferência, o governo do Estado deu o start, conforme antecipado pela coluna, a uma série de reuniões para discutir o cenário fiscal do Rio Grande do Sul a partir de janeiro de 2021. Todos os setores representativos serão ouvidos até 5 de novembro. A intenção do Executivo é a de reunir alternativas para fazer frente ao déficit histórico projetado para o ano que vem, de R$ 10,4 bilhões.

A proposta original do orçamento estimou o rombo em R$ 8 bilhões, mas já é certo que as alterações no Fundeb, como a proibição de contabilizar no cálculo o pagamento de inativos, ampliará o buraco em R$ 2,4 bilhões. Está em estudo a forma como o valor será incluído ao projeto, provavelmente, por meio de emenda do relator, deputado Mateus Wesp (PSDB). O déficit pode ser ainda maior em função do impacto com mudanças nos precatórios, mas este ponto ainda é uma dúvida.

Após o ciclo de debates, o resultado irá embasar o parecer de Wesp sobre o orçamento. O relatório precisa ser apresentado até o dia 10 de novembro. Mas mais do que isto. A partir das sugestões apresentadas nas discussões, o governo do Estado irá trabalhar as propostas em projetos que serão encaminhados à Assembleia. A alternativa foi a saída encontrada diante das resistências e críticas majoritárias que inviabilizaram a Reforma Tributária defendida pelo Piratini, que teria alguns impactos de curto prazo para minimizar os reflexos, por exemplo, do fim da majoração das alíquotas do ICMS em 31 de dezembro.

“A ideia e fazer com que todos, com responsabilidade direta ou indireta, tenham, primeiro, conhecimento da situação e, depois, que busquem e apresentem alternativas para fazer frente à crise”, disse o líder do governo na Assembleia, Frederico Antunes (PP), à coluna. Na prática, com a negativa que sepultou a Reforma Tributária, o governo tensiona para os que criticavam a proposta, apresentem suas soluções. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895