Coronavac ganha novo capítulo

Coronavac ganha novo capítulo

Porto Alegre se prepara para vacinar 156 mil pessoas na primeira etapa

Taline Oppitz

A eficácia geral do imunizante é de 50,38%

publicidade

A polêmica sobre a Coronavac, fortemente marcada pelo viés político, ganhou novo capítulo com o detalhamento dos dados pelo Butantan, de que a eficácia geral do imunizante é de 50,38%. O índice corresponde a todos os infectados integrantes do estudo que desenvolveram doença, considerando casos leves, moderados e graves. Na última semana, em manifestação, sem informações mais profundas, o que foi questionado pela comunidade científica, a eficácia apresentada foi de 78% para casos leves e de 100% para casos graves da Covid-19. O dado, repassado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária, na solicitação para uso emergencial da vacina, é superior ao mínimo de 50% exigidos pela OMS para viabilizar a droga.

A Coronavac utiliza o vírus inativo, um dos modos mais usados, que amplia a segurança e no qual o Brasil tem expertise. Segundo cientistas presentes no anúncio, o percentual não é preocupante. Eles defenderam ainda a importância de uma vacina segura e disponível rapidamente no país. De acordo com a bióloga e fundadora do Instituto Questão de Ciência, Natalia Pasternak, não há justificativa para que não se use uma vacina que está disponível, que é fácil de distribuir e que tem ótima relação de custo-benefício. “É a vacina possível, é uma boa vacina e é uma vacina que certamente vai iniciar o processo de sairmos da pandemia. Isso não quer dizer que depois dela não poderão entrar outras. Se essa vacina é o começo, vamos começar?”, disse.

Nesta segunda-feira, o tema da vacina foi uma das pautas em audiência do presidente da Assembleia gaúcha, Ernani Polo (PP), com o presidente Jair Bolsonaro. Após questionamentos do parlamentar sobre a imunização no Brasil, Bolsonaro afirmou que já há recursos garantidos para a aquisição dos imunizantes e que as vacinas serão adquiridas assim que houver aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Capital se prepara para vacinar 156 mil

Secretário de Saúde de Porto Alegre, Mauro Sparta afirmou que a prefeitura está preparando estrutura para a imunização de 156 mil pessoas na primeira etapa da vacinação, incluindo servidores da saúde, idosos, pessoas com comorbidades e indígenas. Serão 24 pontos da prefeitura, além da ampliação dos locais por meio de parceria negociada com redes de farmácias. “Ainda não tratamos deste tema com o governo gaúcho, mas professores podem ser incluídos na primeira leva, dependendo no número de doses que será disponibilizado”, disse o secretário, em entrevista ao programa Esfera Pública, da Rádio Guaíba.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895