Discussão da PEC do voto impresso ganha mais ingredientes

Discussão da PEC do voto impresso ganha mais ingredientes

Notícia crime apresentada pelo TSE contra Bolsonaro nesta segunda-feira incrementa a discussão

Taline Oppitz

Desfile militar convocado pelo presidente será cenário de fundo do Congresso durante votação da proposta

publicidade

Justificativas públicas à parte, será difícil, politicamente, não interpretar como recado o desfile militar com blindados em Brasília, organizado pelo Ministério da Defesa, nesta terça, provavelmente o dia em que a Câmara dos Deputados votará a polêmica PEC do voto impresso. O recado, no entanto, pode ser visto de diversas formas. Entre elas, uma tentativa de demonstração de força, mas que de pano de fundo, na prática evidencia fraqueza e até desespero.O fato é que a iniciativa terá reflexos, dentro e fora do país, do Congresso Nacional, e de instituições que poderão assistir a passagem de camarote, como o Supremo Tribunal Federal.

Hoje, no fim do dia, o TSE apresentou ao Supremo notícia-crime contra Bolsonaro por vazamento de inquérito sigiloso, da PF, divulgado pelo presidente nas redes sociais. O clima em torno do tema, uma das principais bandeiras do presidente Jair Bolsonaro, que tem colocado em xeque o sistema eleitoral brasileiro, já era tenso e agora ganhou mais ingredientes.

Ao longo do dia, deputados federais começaram a divulgar suas posições e a justificarem seus votos nas redes sociais. Segundo Nereu Crispim (PSL), “depois de receber várias ameaças querendo me impor o apoio ao voto impresso, acabei de tomar uma decisão! Voto contra! Essa proposta está contaminada de autoritarismo, tirania e ódio! Brasil acima de todos!”, escreveu.

Jerônimo Goergen (PP) afirmou que há uma agenda econômica e social que precisa ser prioridade. “Será mesmo que o voto impresso é prioridade para essa parcela da população? Outros tantos projetos e ações dependem de nós para que possamos rearrumar nossa economia. Votarei favorável, pois não imagino a eleição ser questionada no futuro e espero que possamos votar o mais rápido possível para não perdermos mais tempo”, justificou.

Marcel van Hattem (Novo) destacou que muitos que antes eram a favor, agora estão se colocando contrários sem fundamentar em argumentos técnicos suas motivações. “Me mantenho no mesmo lugar: favorável a um aperfeiçoamento do sistema de votação a partir da possibilidade de impressão do comprovante de voto”, escreveu. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895