Leite quebra promessa e privatização da Corsan avança

Leite quebra promessa e privatização da Corsan avança

Ao assumir a discussão, o governador segue bem claro o caminho que está trilhando para 2022

Mauren Xavier (interina)

Como era esperado, a proposta recebeu críticas da bancada de oposição e sindicatos

publicidade

O governador Eduardo Leite (PSDB) foi enfático ao dizer que estava quebrando promessa e encaminhando a privatização da Corsan. Leite utilizou declaração feita em entrevista ao Correio do Povo, no dia 27 de outubro de 2018, quando disputava o segundo turno na disputa pelo Piratini. Na época, disse que a Corsan não seria privatizada porque “ela era um agente importante de articulações de soluções regionais em saneamento”.

Nesta quinta-feira, porém, o governador reconheceu que mudou de opinião porque “o cenário” teve alteração e que a Corsan pode “perder seus contratos de concessão” em função do Marco Legal do Saneamento. Leite deixou bem claro que sabe que haverá ataques políticos à decisão. E virão. Ao assumir a discussão e o desgaste político, o governador segue bem claro o caminho que está trilhando para 2022.

Movimento 1. Para viabilizar a operação, o governo aproveitará uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC 280/2019), do deputado Sérgio Turra (PP), que já tramita na Assembleia. O texto retira a obrigação de plebiscito para privatização de estatais que ainda dependem da consulta popular (Corsan, Banrisul e Procergs). Após o anúncio, Turra disse que pedirá urgência à análise da PEC que está na Comissão de Constituição. Para ser aprovada, o texto precisa ter a aprovação de 3/5 dos deputados e votação em dois turnos. 

Movimento 2. Como era de se esperar, a proposta recebeu críticas da bancada de oposição e de sindicatos. Os críticos inclusive já definiram pontos de ataque, como a quebra da promessa e o momento inadequado, em função da pandemia.

Em tempo: Leite disse que não pretende encaminhar a privatização do Banrisul no seu governo, apesar de já ter tentado vender ações. Mas que o assunto precisará ser encarado mais à frente, entre outros, pelas mudanças do setor bancário. A aguardar.

A titular Taline Oppitz reassume a coluna nesta sexta-feira após as férias. 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895